Região Norte concentra terceiro maior volume de empregos formais do Estado

Contraste entre os mercados foi mapeado pelo Boletim de Trabalho do RS já considerando os efeitos da pandemia

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A força de trabalho da população gaúcha moradora da Região Norte do Estado, e da qual Passo Fundo faz parte, concentra o terceiro maior volume de empregos formais do Rio Grande do Sul. Já considerando os efeitos da pandemia de coronavírus, o Boletim de Trabalho foi apresentado com detalhamento por macrozonas, na terça-feira (21), pelo Departamento de Economia e Estatística do governo Eduardo Leite (PSDB) com destaque para a informalidade laboral. 

Pertencente à Região Funcional 9, assim dividida pelo Poder Executivo estadual para fins de planejamento, há dois anos, a região já respondia por 8,6% do total absoluto de empregados com vínculos legais trabalhistas, atrás apenas de Porto Alegre e Região Metropolitana, com 47,5% dos empregos formais no Estado, e da Serra, com 13,3%. De acordo com o levantamento da tendência comportamental das relações empregatícias dos últimos 15 anos no território gaúcho, juntas, essas três subdivisões espaciais eram responsáveis por 69,4% de absorção da mão de obra humana. 

De um modo geral, as tendências de expansão e contração do emprego na economia gaúcha se fizeram sentir no conjunto das nove regiões funcionais, porém com diferenças temporais e de intensidade, que refletem dinâmicas produtivas, concorrenciais, institucionais, próprias de cada um desses territórios, segundo o estudo. Quando considerado os pontos percentuais na distribuição de emprego, ao longo desse período, a região Norte liderou com o avanço de 1,3 em relação às demais áreas gaúchas com a segunda maior variação de contingente no período. O número de vínculos formais na região de Passo Fundo cresceu 55,6% nos 15 anos considerados, de acordo com o boletim. 

Indústria de transformação 

Na contramão de desaceleração da indústria de transformação, que engloba os setores alimentícios e metalurgia, a Região Funcional 9 detém 8,9% da força de produção desse setor e obteve, ainda conforme os resultados, um distanciamento positivo em relação ao agregado gaúcho nessa comparação entre os extremos do período analisado. O emprego industrial no território gaúcho, entre 2004 e 2018, cresceu apenas 1,3%; enquanto na macrorregião Norte os indicadores ficaram em 23,6%.

Alimentos e bebidas cresceram 50% no mesmo período, chegando a 2018 com participação de 46,7% no emprego setorial da região de Passo Fundo. Variações importantes registraram-se na química (102,7%) — que, no entanto, se limitava a 5,6% dos postos da indústria em 2018 — e na metalurgia (41,4%), como demonstraram as projeções da Secretaria Estadual de Planejamento, Governança e Gestão ao compilar os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Gostou? Compartilhe