Apenados retomam oficina de trabalho em empresas privadas de Erechim

Por
· 1 min de leitura
Detentos são responsáveis pela fabricação de calçados, luvas e equipamentos de proteção individual (EPI)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Apenados trabalhadores do Presídio Estadual de Erechim retomaram as atividades no processo fabril de peças de roupas e equipamentos de proteção individual (EPI), nesta sexta-feira (10). Para isso, um termo de cooperação foi assinado entre a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e as empresas Couroarte e Ereluvas. 

Pela Couroarte, 45 detentos são responsáveis pela fabricação de calçados e EPIs. Na Ereluvas, são 25 presos, que produzem luvas e EPIs. Todos os produtos são vendidos pelas empresas no comércio geral. Pela produção, os presos podem receber até 75% do salário mínimo. Além disso, os serviços prestados revertem em remição da pena para os custodiados.

"Continuo defendendo o trabalho prisional como um meio de socialização do preso, pois isso pode ser um meio de afastá-los do crime e de, assim, ganharem seu próprio sustento, licitamente, com o que aprenderam nos workshops prisionais", destacou a administradora da casa prisional, Angélica Milkiewicz.

 

Gostou? Compartilhe