Chuva volta a se afastar da região

Previsão divulgada pelo Instituto Nacional de Meteorologia não aponta qualquer possibilidade de precipitação nos próximos dias

Por
· 2 min de leitura
Em reunião para tratar da situação de estiagem, Luís Augusto Lara disse que será necessário reforçar o pedido de apoio ao governo federal

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A chuva, que marcou a segunda e a terça-feira com pancadas rápidas e isoladas, volta a se afastar do Estado a partir desta quinta-feira (23). O motivo, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, é uma entrada de ar seco. A notícia desanima os agricultores que já sentem os prejuízos da estiagem. Embora, conforme o observador meteorológico da Embrapa Trigo/Inmet, Ivegndonei Sampaio, em parte dos municípios da região o acumulado de chuva nos primeiros 21 dias do ano tenha ultrapassado a média histórica prevista para janeiro, as chuvas têm sido mal distribuídas.

 

Em Passo Fundo, até às 15h de ontem (21), o acumulado de chuva registrado era de 181 mm – cerca de 30 mm acima da média. “Na terça, a precipitação foi de apenas 6 mm. Não surpreendeu, já esperávamos que fosse em baixo volume. Nessa quarta-feira, caso a previsão se confirme, as pancadas de chuvatambém serão fracas”, comenta Sampaio. Ele adianta ainda que, nesta quarta-feira (22), a sensação de abafamento pode dar trégua à noite, quando acontece um ligeiro declínio nas temperaturas.

 

Na quinta-feira, de céu claro a parcialmente nublado, o município deve registrar temperaturas entre 16° e 28°C. Na sexta, a mínima cai para 14°C, mas a máxima se mantém estável. As temperaturas voltam a se elevar gradativamente no sábado, com previsão de variação entre 14°C e 29°C, e no domingo, quando as temperaturas devem ficar entre 17°C e 31°C. “Destaque também para a baixa umidade relativa do ar nos próximos quatro dias. De acordo com o Inmet, ela pode ficar abaixo dos 30%”, expõe o observador meteorológico.

 

Situação de emergência

 

O governo do Rio Grande do Sultem monitorado a situação da estiagem, em todo o Estado, desde que os registros de precipitação começaram a minguar, no começo de dezembro. O boletim mais recente da Defesa Civil contabiliza, até o momento, 74 municípios em situação de emergência devido à estiagem. As culturas mais afetadas são milho, fumo, soja e feijão.


Dando sequência ao tema, o governador em exercício, Luís Augusto Lara, recebeuna manhã de ontem (21/1), no Palácio Piratini, representantes do setor agrícola, de movimentos sociais e dos municípios para fazer um levantamento das perdas causadas pela ausência de chuva. Desde o começo de janeiro, foram realizadas diversas reuniões semelhantes com entidades do setor para verificar a situação e mitigar as perdas.


Durante o encontro, Lara destacou que, além das medidas já anunciadas pelo Estado, será necessário reforçar o pedido de apoio ao governo federal. “Esse é o tema que mais angustia os gaúchos no momento. A cada cinco anos, enfrentamos o problema, mas sempre parece que é a primeira vez. Temos de enfrentar o tema com pressão política, vontade e orçamento”, garantiu o governador em exercício.


Entre as medidas, estão as solicitações, direcionadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de prorrogação do prazo de zoneamento agrícola e de reserva de cota extra do seguro agrícola. “O secretário Covatti Filho está em contato com a ministra Tereza Cristina”, garantiu o secretário em exercício de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Luiz Fernando Rodriguez Júnior.A pasta vem acompanhando as perdas registradas nas principais lavouras e culturas.



Gostou? Compartilhe