Coleira detecta comportamento da criação bovina

Tecnologia pretende ser uma aliada do pecuarista no monitoramento da saúde animal

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


A detecção de cio, problemas na saúde e atividades de ruminação e ócio do gado leiteiro nem sempre são facilitadas ao produtor rural pelo dinamismo que o acompanha na rotina do campo. Nessas situações, a tecnologia entra como uma aliada do pecuarista para monitorar o rebanho através de uma coleira desenvolvida para acompanhar as atividades do animal ao longo de todo o dia.

O dispositivo C-Tech, criado pela startup gaúcha Chip Inside, detecta, por exemplo, o comportamento de cio do animal e notifica, por meio de um sistema integrado de antenas instaladas na propriedade e de um aplicativo de celular, o momento mais adequado para fazer a inseminação artificial nas vacas. A tecnologia está sendo apresentada durante a 21ª edição da Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. “A coleira serve como uma ferramenta para auxiliar o manejo”, comentou a zootecnista, Laura Caye Sebastiany. Com informações mais detalhadas sobre o animal, o produtor, como explicou ela, pode melhorar as taxas reprodutivas do gado leiteiro e de corte.

Por meio de gráficos, o pecuarista pode, ainda, prever situações de enfermidade em um animal do rebanho e, através do comportamento animal monitorado pelos indicadores armazenados na nuvem de um computador, é possível identificar o gado que não está adaptado ao manejo. “Os casos de bem-estar animal podem ser detectados de 3 a 4 dias antes do primeiro sinal clínico perceptível”, destacou Laura.
Ao acompanhar o desenvolvimento de cada lote do rebanho, o aplicativo fornece informações sobre a dieta praticada na criação e informa possíveis desajustes nutricionais no organismo animal, inclusive identificando quanto tempo o gado permaneceu parado, seja em confinamento ou em campo aberto. Todos os dados coletados são viabilizados por meio de um sensor anexado ao cordão, projetado para ser envolto no pescoço dos animais. “A maioria dos casos de cio são noturnos, em momentos que o produtor não está próximo ao gado. Então, o aplicativo notifica que a inseminação é aconselhável até determinado horário”, explica a zootecnista.


Vacas high-tech
A tecnologia de precisão aplicada à criação leiteira está no mercado há três anos. Os ensaios preliminares de testagem e verificação do sistema, no entanto, existe desde 2010, quando os irmãos Thiago e Leonardo Martins iniciaram uma pesquisa, em Santa Maria, para acompanhar a ruminação dos bovinos. A inovação, que permite a armazenagem de até 27h das atividades do animal, tem despertado a atenção dos visitantes da feira.

Os planos, segundo a CownMed – desenvolvedora do sistema integrado -, variam de R$ 350 reais a R$ 19 mil.

Gostou? Compartilhe