Correios: Funcionários decidem hoje sobre fim da greve

Em torno de 15% do efetivo permanece paralisado. Parte dos trabalhadores retornou às atividades ontem (16)

Por
· 2 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os trabalhadores dos Correios de Passo Fundo que ainda estão paralisados devem decidir os rumos da greve em assembleia na tarde desta terça-feira (17). De acordo com o diretor da subsede regional do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos (Sintect-RS), Gelson Zapello, a tendência é que os funcionários voltem ao trabalho amanhã. Isso porque o principal objetivo da paralisação, que era chamar atenção da empresa para a negociação do reajuste salarial, foi atingido. “A empresa abriu a chance de negociar. Era o que nós queríamos. Até porque não estamos pedindo nem aumento, apenas a reposição da inflação no reajuste salarial”, enfatizou.


Parte dos trabalhadores voltou às atividades ainda ontem (16). Aproximadamente 15% dos funcionários permanecem em greve. “Nós deixamos em aberto, então parte dos trabalhadores optou por retornar ao trabalho já nesta segunda”, complementou Zapello. A greve iniciou na quarta-feira da última semana, 11 de setembro. Em Passo Fundo, a adesão chegou a 80%. Em outros seis municípios da região abrangidos pela subsede de Passo Fundo, também houve paralisação. O motivo era o impasse na negociação do repasse salarial com a estatal, que já se arrasta há meses. A empresa oferecia 0,8%. Os trabalhadores pediam 3,25%.


No início de agosto, o TST solicitou que os funcionários não paralisassem as atividades até 31 de agosto. O prazo, de 30 dias, seria para que o judiciário pudesse mediar um possível acordo. Durante todo o período em que negociaram com a empresa, os trabalhadores mantiveram estado de greve.


Determinação judicial
Um dia após o início da greve, na quinta-feira (12), o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Mauricio Godinho Delgado determinou que 70% dos empregados dos Correios mantivessem as atividades da empresa durante a greve. Pela decisão, o descumprimento do efetivo acarretará na aplicação de multa de R$ 50 mil por dia aos sindicatos da categoria.


A decisão do ministro foi proferida em audiência de conciliação feita nesta tarde entre a empresa e os sindicatos que representam os trabalhadores. Na reunião, o ministro propôs o fim da greve. Em contrapartida, os Correios devem manter os termos do atual acordo coletivo de trabalho e o plano de saúde dos empregados até 2 de outubro, data do julgamento do dissídio coletivo pelo TST.


Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), mesmo com a mediação já iniciada no TST, referente ao processo de negociação do Acordo Coletivo 2019/2020, a empresa deixou de receber os representantes dos trabalhadores. Para a entidade, a empresa não dá prejuízo e não depende de financiamento público. Os empregados também são contra a eventual privatização dos Correios.


Em nota, os Correios afirmaram que aceitaram a proposta de encaminhamento do ministro "para minimizar os impactos da paralisação, inclusive a perda de clientes para a concorrência". A empresa também declarou que espera chegar a um "entendimento razoável" para não comprometer suas finanças. "Vale destacar que, atualmente, as despesas com pessoal equivalem a 62% dos dispêndios anuais da empresa", diz o comunicado.

Gostou? Compartilhe