Tensão em Charrua

Conflito entre indígenas na reserva do Ligeiro, deixa comunidade desassistida de serviços básicos e mais de 500 alunos sem aula

Por
· 7 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De um lado, mais de 300 índios vivem, há mais de uma semana, em um alojamento improvisado em um ginásio de esportes. Do outro, as ruas de acesso à reserva do Ligeiro, estão bloqueadas por troncos e galhos de árvores. O cenário resume o clima de tensão que se apoderou da pequena Charrua, município de pouco mais de três mil habitantes, no norte do Estado.

Um desentendimento entre lideranças provocou a fragmentação da comunidade que era integrada por mais de 1,5 mil indígenas. A divisão está entre o cacique Florindo Lima, alojando no ginásio, e o vice-cacique, Valdir Palhano, que permanece na reserva. O estopim do conflito foi em agosto, quando mais de 50 residências foram queimadas na aldeia. Carros e animais também foram incinerados. Na ocasião, houve troca de tiros e algumas pessoas ficaram feridas.

Após o confronto, os índios, que não concordam com a atual liderança, saíram da aldeia. Sem moradia, eles ficaram abrigados em uma casa da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Tapejara. Como o local era apertado e não comportava a demanda, na última sexta-feira (1º), uma liminar, expedida pela juíza Lilian Raquel Bozza Pianezolla, determinou que eles fossem realocados em Charrua.

A volta do grupo trouxe consigo o clima de tensão para o município, conforme a Prefeitura de Charrua. Temendo pela segurança dos moradores, o Executivo suspendeu, na manhã de segunda-feira (4), as aulas das três escolas. O titular da pasta de Educação, Leocir Mezadri, afirma que as escolas Osvaldo Cruz, Carmelina Baseggio e Dentinho de Leite ficam em regiões em que há circulação dos grupos rivais e que poderia haver conflito.

“Como o único local que a gente tem para abrigar eles é no ginásio poliesportivo, tivemos que suspender as aulas porque não há como saber quem é de qual grupo. Pode haver conflito próximo das escolas. Assim, quem é de um grupo está dentro da escola e o outro grupo está fora”, esclareceu Mezadri.

Sem educação e saúde

A escola que fica dentro da reserva está fechada há um mês, assim como o posto de saúde. Sem esses dois serviços essenciais, os indígenas que precisam de assistência regular sofrem com o conflito.

Itelvina Pedro nasceu e se criou na reserva do Ligeiro. Nativa, ela arranha o português, mas se comunica mesmo na língua kaingang com seus pares. Hoje, aos 76 anos, possui dificuldades para caminhar e precisa tomar um fortificante para os ossos. Remédio que conseguia na Unidade Básica de Saúde (UBS). Integrando o grupo que está no ginásio, a idosa depende da ajuda dos demais para receber remédios que acalmam suas dores. “Minha filha teve que ir no posto aqui de Charrua conseguir remédio para minha dor de cabeça, e ainda estou sentindo”, conta.

Além do incômodo físico, a dor que experimenta há semanas, e que não possui remédio, é a de perder a casa no conflito. A residência, de tábuas e amiantot, de Itelvina já não existe mais. “Foi queimado fogão, geladeira, colchão, panela. Até minhas cobertas queimaram. O que eu tinha se foi tudo”, lamenta. A indígena diz sentir saudade de casa. Também sente pelo ‘nenê’, o irmão mais novo dela, que ficou na reserva. Assim como a família Pedro, diversas acabaram se separando em virtude do conflito.

Junto da idosa, outros 300 índios dividem espaço e organizam os colchões, cobertas e roupas como podem. A arquibancada do ginásio virou varal de roupas para aqueles que conseguiram salvar outros bens além da roupa do corpo. A copa virou cozinha compartilhada. Longe de casa, sem ter como trabalhar, o alimento também é fracionado. “A gente se ajuda como pode. A prioridade é alimentar as crianças”, comenta Odair Lima, um dos índios que comanda o grupo. Ele informa que já chegou a faltar comida no local.

Origem do conflito

O estopim desse confronto não fica claro, segundo o Ministério Público Federal (MPF) de Erechim, que cuida do caso. A disputa por poder se arrasta há anos e determinar a origem do conflito é delicado.

O grupo, sob tutela do cacique Valdir Lima, se diz cansado da liderança dos Palhano (vice-cacique) que estão no poder e usufruem de muitos benefícios. Odair Lima informa que foi um acumulo de situações que levou a explosão do conflito, em agosto. “Eles nem índio são, são caboclos. Se casaram com índios e agora estão dominando tudo. Eles falam o português e não o nosso idioma”, reclama.

Os indígenas denunciam que o grupo que está na liderança utiliza o carro da Secretaria Especial da Saúde Indígena (Sesai) para tratar de assuntos particulares. Ainda reclamam que a liderança coloca pessoas não qualificadas em cargos da saúde e da educação enquanto há pessoas com formação técnica que poderiam utilizar a vaga e que eram intimidados com fuzis e espingardas.

A liderança, que está na reserva, informa que o início do conflito foi em virtude de um trator. Evandro Palhano, filho do vice-cacique, é o porta-voz do grupo. Ele conta que a máquina agrícola é fruto de uma doação da Funai à reserva. Para eles, o conflito começou em uma noite em que o filho do cacique, Teixeirinha Lima, estava nervoso e alterado. “Eles estavam afirmando que o trator foi para desviar dinheiro, que estávamos tirando vantagem. Mas tudo isso é mentira. Foi um pretexto que eles usaram para tentar tirar nós daqui”, defende-se. A partir desse acirramento nos ânimos é que se desenrolou o conflito.

Palhano informa que no início do conflito, o cacique havia se posicionado contra o filho, mas que no desenrolar dos fatos, mudou de lado e refugiou-se no ginásio. Nesse mês de desentendimento, Evandro e os demais líderes apontam que o grupo rival já entrou atirando diversas vezes na reserva.

Casas queimadas

As casas queimadas são alvo de investigação. Os índios do ginásio dizem que o grupo rival incinerou as casas e os expulsou da reserva. “Eles começaram a queimar nossas casas em uma tarde. Queimaram algumas. As mulheres e os adolescentes iam mandando a gente sair de casa e tacando gasolina nas nossas coisas. De noite eles queimaram mais”, descreve Odair Lima.

A liderança defende outra versão. Palhano diz que quem começou o conflito foi o outro grupo e que eles teriam queimado as próprias casas e as residências de outras pessoas da comunidade para acusar o grupo. “Depois que eles queimaram nossas casas, o pessoal quis revidar”, confessa.

Sem solução

De um lado, os índios que estão no ginásio reivindicam que as autoridades responsáveis tomem providência sobre a situação. Eles alegam que a Funai não está prestando assistência para mediar o conflito. Do outro, a liderança da reserva diz que aceita um acordo e que busca resolver isso de maneira pacífica. Em meio a isso, o secretário de Educação teme que Charrua esteja sem proteção policial e que, até o momento, os órgãos responsáveis não tenham tomado nenhuma medida para amenizar o conflito.

A Funai de Passo Fundo informou que esta mantendo o contato com a Prefeitura de Charrua, Polícia Federal e MPF com objetivo de solucionar as divergências na comunidade. “Dada a complexidade do tema, ainda não logramos êxito quanto à solução definitiva da questão. Permanecemos em diálogo constante para que se encontre um meio de se restabelecer o convívio comunitário, para que aqueles que se encontram fora do território tradicional retomem suas atividades habituais na aldeia nos próximos dias. Cabe ressaltar que a Funai não tem competência para cercear o direito de ir e vir dos indígenas, e que estes, conforme o texto constitucional, são cidadãos plenos de direitos e deveres, e portanto, protagonistas de seus destinos”, disse o coordenador regional da Funai, Lauriano Artico, em nota.

A Procuradoria Geral da República de Erechim instaurou, em agosto, um inquérito civil para acompanhar a questão e tentar mediar o conflito. A assessoria do MPF informou que ouviu as duas partes e realizou uma reunião presencial com as lideranças indígenas. O estopim do desentendimento não foi revelado pelo MPF já que não há consenso entre as versões relatadas pelas partes. A Polícia Federal de Passo Fundo ainda investiga a prática criminosa na reserva. A reportagem de ON não conseguiu contato com a PF.

Suspensão das aulas e esclarecimentos

A prefeitura de Charrua suspendeu, além das aulas, os festejos cívicos de Sete de Setembro. Mezadri lamenta que aproximadamente 500 alunos estejam sendo afetados com a suspensão das aulas devido aos conflitos.

Na quarta-feira (6) a prefeitura divulgou um comunicado afirmando que está buscando auxílio do poder Judiciário para resolver a situação. Leia a nota na íntegra.

“Desde o início do clima de tensão na Reserva Indígena do Ligeiro, localizada no interior do município, a Prefeitura Municipal de Charrua vem buscando solucionar o caso da melhor e mais rápida forma possível, assiduamente contatando com os órgãos competentes, tanto em esfera estadual, como federal.

Nos últimos dias, o executivo municipal tem mantido contato com diversos órgãos. Foram enviados ofícios e realizadas reuniões e audiências, com a Delegacia de Polícia Federal, com o Ministério Público Federal e com a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), solicitando com urgência, medidas jurídicas e força policial no município, a fim de pacificar o conflito, e evitar que mais pessoas fiquem feridas, restabelecendo, desta forma, a ordem e retomando a segurança, sendo que o caos tomou proporções que não podem ser suportadas por toda a população.

Em relação à suspensão das aulas, por tempo indeterminado, na Rede Municipal de Ensino, reiteramos o nosso compromisso com a integridade física dos alunos, professores e funcionários que frequentam as escolas. Frisa-se que no município o efetivo policial é reduzido, acarretando a falta de segurança para a comunidade escolar.

Ainda, destaca-se que o Ginásio Poliesportivo Municipal é o único local público que compreende as exigências da liminar, expedida pela juíza, Dra. Lilian Raquel Bozza Pianezolla.

Diante disso, a Administração Municipal de Charrua confirma que está fazendo o possível para a melhor solução do caso e assim, o bem-estar de todos, além disso, o retorno das atividades escolares para mais de 300 indígenas, que estão há quase um mês sem aulas, e a retomada dos trabalhos nas demais escolas do município. “Assim, ressalta-se o comprometimento de juntar forças com os órgãos competentes para a solução do caso”.

Gostou? Compartilhe