Região se mobiliza para ser incluída na Ferrovia Norte-Sul

Comissão foi criada para coordenar o movimento em busca da inclusão da região no traçado da ferrovia que pretende ligar o país de uma ponta a outra

Por
· 8 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Região se mobiliza para ser incluída na Ferrovia Norte-Sul
Comissão foi criada para coordenar o movimento em busca da inclusão da região no traçado da ferrovia que pretende ligar o país de uma ponta a outra
Natália Fávero/ON
Municípios do Norte do Rio Grande do Sul participaram do Seminário Macrorregional realizado em Passo Fundo para tratar da Ferrovia Norte-Sul. O evento promovido pela Frente Parlamentar Gaúcha de Ferrovias e pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística aconteceu na tarde de ontem (01), no auditório da Feac, na UPF. A ferrovia pretende ligar o país de Norte a Sul minimizando custos de transporte de longa distância. Uma equipe formada por parlamentares, vereadores, prefeitos e sindicatos foi criada durante o evento para coordenar as articulações na região. O encontro também foi preparatório para a Audiência Pública marcada para o próximo dia 26, em Porto Alegre, com os estados do Paraná, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. 
O objetivo do Seminário foi reforçar a mobilização para incluir a região na Ferrovia Norte-Sul que inicia em Belém, no Pará. Por enquanto, o traçado e as obras estão confirmados até São Paulo, mas já tem recursos no valor de R$ 9 milhões garantidos através do PAC 2, do governo federal, para o estudo técnico, ambiental e econômico até o Porto de Rio Grande, no Rio Grande do Sul.
O secretário de Infraestrutura e Logística, Beto Albuquerque, salientou que a principal característica da Norte-Sul é a linha reta.  Segundo ele, se o projeto seguir essa lógica o traçado passará por Paraná, Chapecó (SC), região de Passo Fundo e Erechim (RS), Pelotas (RS) e Rio Grande (RS). “Não podemos divergir sobre essa lógica da linha reta. Se desviarmos desse conceito podemos ficar fora da ferrovia. O proprietário dos produtos não quer que a carga fique passeando. A linha reta é a menor distância entre dois pontos, diminui custo e tempo. Óbvio que futuramente será possível fazer ramais para a Serra, Centro do Estado e regiões que sejam competitivas economicamente”, salientou o secretário.
A decisão de ampliar a ferrovia até o Rio Grande do Sul foi tomada pela presidente Dilma Rousseff em abril. A licitação para contratar a empresa que fará o projeto de 1,6 mil quilômetros já foi iniciada, mas está suspensa em decorrência de denúncias envolvendo a Valec, que é a empresa que vai empreitar a obra. O secretário acredita que até setembro a empresa seja contratada e o diálogo com os Estados sobre o traçado seja iniciado. “Essa é uma caminhada para os próximos oito anos. O custo total da obra só poderá ser definido através do projeto, mas imagino que custe em torno de R$ 2 bilhões”, declarou Albuquerque.
O deputado estadual Altemir Tortelli (PT) disse que a passagem pela região Norte reduzirá o número de desapropriações e impacto ambiental, o que favorece a implantação. “Existe o trecho ferroviário que vem de Santa Catarina por Piratuba e entra no RS por Marcelino Ramos. Atualmente encontra-se em abandono e sob gestão privada da América Latina Logística. Precisamos que o Estado retome esse trecho. Temos bases técnicas, jurídicas, econômicas e muita força política no governo para beneficiar a nossa região”, destacou o deputado.
((((((((((((((Titulo destaque)))))))))))
Debate sobre a Ferrosul é deixado de lado
A Ferrosul é uma parceria entre o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul para criar uma empresa pública com o objetivo de planejar, construir e operar ferrovias e sistemas logísticos, interligando os estados ao restante do país. Mas, como até o momento, dos quatro estados, apenas o Rio Grande do Sul e Santa Catarina criaram a Lei autorizando a formação da Ferrosul, o governo gaúcho resolveu associar-se ao projeto da Ferrovia Norte-Sul, do Governo Federal considerada a alternativa mais viável para que o Rio Grande seja beneficiado com a tão sonhada ferrovia. 
O secretário de Infraestrutura esclarece que a Ferrosul vinha sido discutida quando o governo federal não tinha a intenção de fazer a segunda etapa da norte-sul. “No momento em que ele decidiu fazer a segunda etapa não há motivo para criar uma empresa pública que ainda não tem recursos para fazer a ferrovia e nem o Estado possui recursos para isso”, esclareceu o secretário.
O deputado Tortelli também está convencido que o projeto da Ferrosul está comprometido e estagnado por questões políticas. “A Ferrovia Norte-Sul é a mais viável”, afirmou.
O vereador Juliano Roso (PC do B) que participou de todo o debate da Ferrosul disse que a única preocupação da Norte-Sul é o modelo da ferrovia. “O governo federal tem construído ferrovias e entregado a iniciativa privada administrar. Esse não é o modelo que queremos, porque ela tem que ser colocada a serviço do conjunto da sociedade e não de um grupo privado”, teme o vereador.
Albuquerque ressaltou que esse não é o momento de decidir que vai operar, mas a hora de definir o traçado, mas concorda que a ferrovia não deve ser gerenciada pela iniciativa privada.
Box))))))))))))))))
Prefeito Dipp apoia Ferrovia Norte-Sul
O prefeito de Passo Fundo, Airton Dipp disse que o transporte ferroviário é fundamental para a produção tanto na importação de insumos como na exportação de produtos. Enfatizou que a região Norte está em desenvolvimento e merece um traçado ferroviário que passe por Erechim e Passo Fundo compatível com a agilidade que o setor produtivo necessita. “Isso não significa que municípios próximos como Carazinho, não sejam beneficiados. Eles estarão perto da ferrovia e poderão criar ramais no traçado”, enfatizou o prefeito.

Natália Fávero/ON

Municípios do Norte do Rio Grande do Sul participaram do Seminário Macrorregional realizado em Passo Fundo para tratar da Ferrovia Norte-Sul. O evento promovido pela Frente Parlamentar Gaúcha de Ferrovias e pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística aconteceu na tarde de ontem (01), no auditório da Feac, na UPF. A ferrovia pretende ligar o país de Norte a Sul minimizando custos de transporte de longa distância. Uma equipe formada por parlamentares, vereadores, prefeitos e sindicatos foi criada durante o evento para coordenar as articulações na região. O encontro também foi preparatório para a Audiência Pública marcada para o próximo dia 26, em Porto Alegre, com os estados do Paraná, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. O objetivo do Seminário foi reforçar a mobilização para incluir a região na Ferrovia Norte-Sul que inicia em Belém, no Pará. Por enquanto, o traçado e as obras estão confirmados até São Paulo, mas já tem recursos no valor de R$ 9 milhões garantidos através do PAC 2, do governo federal, para o estudo técnico, ambiental e econômico até o Porto de Rio Grande, no Rio Grande do Sul.O secretário de Infraestrutura e Logística, Beto Albuquerque, salientou que a principal característica da Norte-Sul é a linha reta.  Segundo ele, se o projeto seguir essa lógica o traçado passará por Paraná, Chapecó (SC), região de Passo Fundo e Erechim (RS), Pelotas (RS) e Rio Grande (RS). “Não podemos divergir sobre essa lógica da linha reta. Se desviarmos desse conceito podemos ficar fora da ferrovia. O proprietário dos produtos não quer que a carga fique passeando. A linha reta é a menor distância entre dois pontos, diminui custo e tempo. Óbvio que futuramente será possível fazer ramais para a Serra, Centro do Estado e regiões que sejam competitivas economicamente”, salientou o secretário.A decisão de ampliar a ferrovia até o Rio Grande do Sul foi tomada pela presidente Dilma Rousseff em abril. A licitação para contratar a empresa que fará o projeto de 1,6 mil quilômetros já foi iniciada, mas está suspensa em decorrência de denúncias envolvendo a Valec, que é a empresa que vai empreitar a obra. O secretário acredita que até setembro a empresa seja contratada e o diálogo com os Estados sobre o traçado seja iniciado. “Essa é uma caminhada para os próximos oito anos. O custo total da obra só poderá ser definido através do projeto, mas imagino que custe em torno de R$ 2 bilhões”, declarou Albuquerque.O deputado estadual Altemir Tortelli (PT) disse que a passagem pela região Norte reduzirá o número de desapropriações e impacto ambiental, o que favorece a implantação. “Existe o trecho ferroviário que vem de Santa Catarina por Piratuba e entra no RS por Marcelino Ramos. Atualmente encontra-se em abandono e sob gestão privada da América Latina Logística. Precisamos que o Estado retome esse trecho. Temos bases técnicas, jurídicas, econômicas e muita força política no governo para beneficiar a nossa região”, destacou o deputado.


Debate sobre a Ferrosul é deixado de lado

 A Ferrosul é uma parceria entre o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul para criar uma empresa pública com o objetivo de planejar, construir e operar ferrovias e sistemas logísticos, interligando os estados ao restante do país. Mas, como até o momento, dos quatro estados, apenas o Rio Grande do Sul e Santa Catarina criaram a Lei autorizando a formação da Ferrosul, o governo gaúcho resolveu associar-se ao projeto da Ferrovia Norte-Sul, do Governo Federal considerada a alternativa mais viável para que o Rio Grande seja beneficiado com a tão sonhada ferrovia. O secretário de Infraestrutura esclarece que a Ferrosul vinha sido discutida quando o governo federal não tinha a intenção de fazer a segunda etapa da norte-sul. “No momento em que ele decidiu fazer a segunda etapa não há motivo para criar uma empresa pública que ainda não tem recursos para fazer a ferrovia e nem o Estado possui recursos para isso”, esclareceu o secretário.O deputado Tortelli também está convencido que o projeto da Ferrosul está comprometido e estagnado por questões políticas. “A Ferrovia Norte-Sul é a mais viável”, afirmou.O vereador Juliano Roso (PC do B) que participou de todo o debate da Ferrosul disse que a única preocupação da Norte-Sul é o modelo da ferrovia. “O governo federal tem construído ferrovias e entregado a iniciativa privada administrar. Esse não é o modelo que queremos, porque ela tem que ser colocada a serviço do conjunto da sociedade e não de um grupo privado”, teme o vereador.Albuquerque ressaltou que esse não é o momento de decidir que vai operar, mas a hora de definir o traçado, mas concorda que a ferrovia não deve ser gerenciada pela iniciativa privada.

Prefeito Dipp apoia Ferrovia Norte-Sul

 O prefeito de Passo Fundo, Airton Dipp disse que o transporte ferroviário é fundamental para a produção tanto na importação de insumos como na exportação de produtos. Enfatizou que a região Norte está em desenvolvimento e merece um traçado ferroviário que passe por Erechim e Passo Fundo compatível com a agilidade que o setor produtivo necessita. “Isso não significa que municípios próximos como Carazinho, não sejam beneficiados. Eles estarão perto da ferrovia e poderão criar ramais no traçado”, enfatizou o prefeito.

Gostou? Compartilhe