Pesquisa que pode curar o câncer aguarda autorização para testes em humanos

Os testes realizados em animais já comprovaram a eficácia da proteína.

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A pesquisa do Instituto Butantan que revela uma substância na saliva do carrapato (Amblyomma cajennense) capaz de reduzir tumores cancerígenos, principalmente melanomas, está na reta final. Em novembro, a União Química Farmacêutica Nacional, co-titular da patente e detentora do licenciamento para comercialização, enviou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) solicitação para iniciar os testes em humanos. Os testes realizados em animais já comprovaram a eficácia da proteína.

Estudos realizados por pesquisadores do Instituto Butantan, a partir da genética do carrapato Amblyoma cajennense,identificaram uma proteína com ação anticoagulante e potencialmente anticancerígena, codificada por um gene proveniente das glândulas salivares do carrapato.
Após a clonagem do gene, as primeiras experiências com ratos mostraram que houve regressão de tumores do tipo melanoma e de tumores de pâncreas e renais, bem como redução de metástases pulmonares derivadas desses tumores. O câncer de pâncreas não possui tratamento clínico, resultando em óbitos em 100% dos casos não tratáveis por via cirúrgica. “A saliva do carrapato possui propriedades tóxicas para células tumorais, sem oferecer risco para as células saudáveis”, explica a coordenadora do estudo, Ana Marisa Chudzinski-Tavassi. “A eficácia desta substância em humanos pode oferecer benefícios a milhares de pacientes”, destaca o diretor médico da União Química, Miguel Giudicissi Filho.

Patrocinada inicialmente pela Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a pesquisa, iniciada em 2003, além de financiada pela farmacêutica nacional, também conta com recursos de mais de R$ 15 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O estudo está protegido pelo Patent Cooperation Teaty (PCT), e a expectativa é de que o medicamento seja totalmente produzido no Brasil.
Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de pâncreas representa 2% de todos os tipos, sendo responsável por mais de nove mil novos casos anualmente. Dos pacientes que contraem a doença, 75% morrem ainda no primeiro ano de tratamento. Cinco anos após a detecção do tumor, a taxa de mortalidade sobe para 94%.

Gostou? Compartilhe