Cuidados específicos para pacientes com diabetes

Doença tende a aumentar os riscos de complicações pela Covid-19.

Por
· 2 min de leitura
Eline Dias Pereira é médica endocrinologistaEline Dias Pereira é médica endocrinologista
Eline Dias Pereira é médica endocrinologista
Você prefere ouvir essa matéria?

Entre as pessoas que estão no grupo de risco para complicações devido a Covid-19, doença gerada pelo coronavírus, estão os diabéticos. A médica endocrinologista, Dra. Eline Dias Pereira, explica que o diabetes não aumenta o risco de o indivíduo contrair a infecção pelo coronavírus, mas, uma vez infectado, o mau controle do diabetes tende a aumentar os riscos de complicações pela Covid-19. “Doenças infecciosas costumam ser mais frequentes e graves em pessoas com diabetes devido a um descontrole hiperglicêmico, que favorece a disfunção imunológica e a promoção de fatores inflamatórios”, esclarece a especialista. Ela salienta que, no caso de pacientes com diabetes bem controlado, as complicações devido a Covid-19 tendem a ser mais improváveis, em níveis semelhantes à população não diabética. Por isso a recomendação mais importante para pacientes com a diabetes é de manter a doença controlada, ou seja, evitar o descontrole glicêmico.

Atenção redobrada
Entre os cuidados essenciais a endocrinologista ressalta que o paciente deve estar com atenção redobrada às medicações, para ter certeza que está tomando/aplicando corretamente e nos horários determinados; caprichar na ingesta de água e cuidar bem da alimentação, dando preferência para frutas de baixo índice glicêmico (que não elevam muito a glicemia), verduras e carnes, afim de dar todos os nutrientes necessários para o corpo. No caso dos pacientes em uso de insulina, deve-se higienizar corretamente o aparelho usado para aferir a glicose, as caixas de tiras reagentes e lancetas. “E claro, tomar todos os cuidados preventivos à Covid-19, como a etiqueta respiratória, lavar bem as mãos e manter o isolamento social, conforme as orientação do Ministério da Saúde”, frisa.

Estes pacientes devem manter a consulta de rotina para diabetes?
Eline comenta que os pacientes com bom controle do diabetes devem manter suas rotinas de distanciamento social, conforme recomendado pelo Ministério da Saúde. Então eles devem deixar para consultar assim que a situação do coronavírus estiver mais tranquila. “Nos casos de mau controle os pacientes devem entrar em contato com seu médico endocrinologista e agendar consulta para otimizar o tratamento e fazer os ajustes nas medicações”, explica. No caso de consultas médicas presenciais, deve-se seguir também recomendações de precaução como evitar aglomerações, levar no máximo um acompanhante, chegar no máximo 5 minutos antes e ir de máscara no caso de sintomas respiratórios.

Em caso de sintomas de covid-19:
- Se o paciente apresentar sintomas leves como coriza, deve ficar em casa, atento a temperatura corporal, com isolamento em relação aos familiares que moram com ele, tomando o máximo de medidas para não passar para outras pessoas caso realmente esteja infectado. Até o momento não dispomos de testes para pacientes com sintomas leves.
- Em caso de sintomas moderados, isto é, coriza e/ou tosse, acompanhados de febre, deve entrar em contato via telefone com o posto de saúde mais próximo da sua casa (ou número de referência, para Passo Fundo: 3313-4874, 3046-0097 e 99667-6279), afim de maiores orientações e, conforme, agendar consulta.
- Em caso de sintomas graves (sintomas moderados acompanhados de falta de ar) deve procurar imediatamente serviço de urgência e emergência, para avaliar necessidade de teste para coronavírus e receber tratamento adequado.

Vacina da gripe
A endocrinologista ressalta que a vacina contra Influenza deve ser feita por todos os idosos e todos os portadores de doenças crônicas, inclusive diabetes, para diminuir os riscos de complicações da gripe e minimizar o impacto sobre os serviços de saúde. “É recomendado que todos os pacientes portadores de diabetes levem a receita médica para comprovar tal condição e receber gratuitamente a vacina”, orienta a Dra Eline.




Gostou? Compartilhe