Pandemia faz Ministério da Saúde ampliar campanha de vacinação contra gripe

Em Passo Fundo, 38,7 mil pessoas foram imunizadas contra o Influenza

Por
· 1 min de leitura
Foto: Gustavo Mansur / Palácio PiratiniFoto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini
Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini
Você prefere ouvir essa matéria?

O Dia de D de Vacinação Contra a Influenza, marcado inicialmente para o sábado, 9 de maio, foi suspenso pelo Ministério da Saúde. Também foi prorrogado o início da próxima fase da Campanha Nacional de Vacinação, dividindo em duas etapas o público-alvo que ainda não havia sido contemplado. Assim, a estratégia de vacinação seguirá até 5 de junho, ganhando duas semanas a mais.

De acordo com o governo federal, a mudança se dá em função do momento atual de propagação da Covid-19 e da disponibilidade de vacinas pelo Instituto Butantan. “Aumentando o tempo da campanha e dividindo mais os públicos que devem ir até os postos, diminuem-se também as aglomerações e possíveis contágios do coronavírus nesses ambientes”, afirma a chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Tani Ranieri.

Estados e municípios estão recebendo as doses da vacina da gripe de forma escalonada, a cada semana, conforme são produzidas pelo Instituto Butantan. A farmacêutica Tatiana Castilhos, da Central Estadual de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Ceadi), informa que estão previstas para chegar ao Rio Grande do Sul nos próximos dias 342 mil doses de vacinas contra influenza.

Como ficou o calendário de vacinação depois das alterações:

• 11 a 17 de maio: crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com deficiência, gestantes e puérperas até 45 dias;

•18 de maio a 5 de junho: adultos de 55 a 59 anos, professores das escolas públicas e privadas.

Balanço

Na primeira etapa da campanha, idosos e profissionais de saúde atingiram a marca de 100% da estimativa do público vacinado. Em Passo Fundo, 38,7 mil pessoas foram imunizadas contra o Influenza. Desse total, 747 eram crianças; 41 gestantes; 25 puérperas; 177 indígenas; 15 pessoas com deficiência; 1.064 adultos pertencentes ao grupo prioritário, acima de 55 anos; 24,5 mil idosos; 9,6 mil trabalhadores da saúde; 480 detentos; 92 funcionários do sistema prisional; 103 professores; 502 funcionários das forças de segurança e salvamento; 899 caminhoneiros e 412 trabalhadores do transporte coletivo, segundo consta na planilha do DataSUS. 

Gostou? Compartilhe