A vez dos "superagers"

Ficar em casa fazendo tricô ou assistindo televisão é coisa de idosos de outros tempos. Hoje em dia, existe uma geração conhecida como ?EURoesuperagers?EUR?, ou ?EURoesuperidosos?EUR? que voltou a estudar, pratica atividade física regularmente e ainda faz ginástica para o cérebro

Escrito por
,
em
Manter-se ativo é a chave para envelhecer com saúde

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Foi-se o tempo em que eles ficavam quietinhos em casa. Os superagers, que aqui podemos traduzir como superidosos, querem ser participativos e fazem de tudo para manter a saúde física e mental. Com o aumento da expectativa de vida e os recursos para garantir o bem-estar, cada vez mais pessoas chegam à terceira idade com energia e vitalidade. Faculdade, atividade física e ginástica para o cérebro estão entre os programas favoritos desta turma pra lá de animada. Para encarar a agenda lotada com disposição, eles precisam estar em forma, com o corpo forte e a memória ativa. 

Uma das modalidades de atividades bastante procuradas e que tem tudo a ver com este público, é a ginástica para o cérebro. Cursos como este são os mais indicados para o público da terceira idade e estão abrindo um grande mercado, sobretudo porque a população tende a envelhecer no Brasil.
Os cursos para idosos elevam a autoestima, aliviam o estresse, mantêm a memória, melhoram o raciocínio e promovem a interação social, muito importante nesta fase da vida. Estas habilidades dão segurança para eles continuarem assumindo responsabilidades, como pagar contas em dia, controlar o gasto da aposentadoria, gerir a herança e honrar compromissos com médicos, familiares e amigos.

Opções de entretenimento
As opções de cursos e entretenimento para idosos não param de aumentar:
* Gastronomia é outra alternativa: os cursos de culinária podem até render um dinheiro extra. Com isso, aprende-se a preparar pratos mais elaborados, com técnicas modernas uma forma de desenvolver potenciais criativos, estimulando o aprendizado, a comunicação e a sociabilização.

* Educação: as faculdades, que até pouco tempo eram privilégio de jovens, agora oferecem cursos exclusivos para a terceira idade.

* Informática: outro curso muito procurado por este público. Aprender a usar o computador, enviar e-mails e acessar as redes sociais é uma forma de conectar-se às novas gerações, retomar contatos com parentes distantes e também de exercitar o cérebro.

* Ginástica para o cérebro: a terceira idade é o público mais fiel da franquia de cursos Supera, que oferecem estas atividades, e representa 45% dos alunos da rede, que podem comprovar os resultados desse método exclusivo. A ginástica cerebral para essa faixa etária é recomendada para treinar o raciocínio e a memória, retardando o surgimento de sintomas de doenças degenerativas do cérebro, como Alzheimer, por exemplo. Ao contrário do que se pensava há alguns anos, pesquisas recentes têm mostrado que apesar de envelhecer, o cérebro mantém uma capacidade extraordinária de desenvolvimento e recuperação. A memória, primeira habilidade a ser prejudicada com o tempo, pode melhorar muito com o curso. As ferramentas pedagógicas combinam apostilas exclusivas, jogos de tabuleiro e online, uso do ábaco e dinâmicas de grupo.

Entrevista

Medicina & Saúde - Existe uma média de tempo entre o início dos exercícios e a melhora nas condições da memória entre os idosos?
Rosana Janete Dall Asta - Se a memória não tiver sofrido alterações por alguma lesão na região do cérebro responsável por ela ou por doenças degenerativas, é possível já perceber resultados a partir de dois a três meses de curso. No caso de já ter algum problema é possível também que possa haver a regeneração celular uma vez que nosso cérebro possui essa neuroplasticidade que é a capacidade de se modificar. Através dos estímulos organizados da ginástica cerebral do Supera, o cérebro é capaz de restabelecer conexões neurais e melhorar seu desempenho, em qualquer idade. Mas a ginástica cerebral para essa faixa etária é especialmente recomendada por retardar o aparecimento de sintomas de doenças como Alzheimer e ainda recuperar capacidades cognitivas.

Medicina & Saúde - Como funcionam as técnicas aplicadas para idosos?
Rosana Janete Dall Asta - Nas nossas aulas os idosos trabalham com o ábaco, um instrumento de cálculo milenar que estimula a concentração, raciocínio lógico, memorização, foco e coordenação motora. Além disso, temos jogos pedagógicos, exercícios lógicos matemáticos, neuróbicas e outros, todos com a finalidade de desenvolver o pensamento lateral, a criatividade para solucionar problemas. Trabalhamos com dinâmicas específicas, porém todas elas de modo prazeroso e com muita diversão.

Medicina & Saúde - Que tipos de benefícios podem ser alcançados?
Rosana Janete Dall Asta - As principais habilidades desenvolvidas no curto prazo são atenção, memória e raciocínio. Mas ao longo do curso percebe-se uma melhora na autoestima, na autoconfiança, na capacidade de resolver problemas de forma criativa.

Medicina & Saúde - Qual a indicação de frequência desses exercícios?
Rosana Janete Dall Asta - As aulas devem ser realizadas uma vez por semana com duração de duas horas, mas os alunos são orientados também a realizar algumas tarefas durante a semana em casa. Quanto mais exercitar mais cedo aparecerão os resultados, pois no nosso cérebro ao contrário do que acontece com os computadores, quanto mais usamos, mais capacidade ele tem, ou seja, melhor ele fica.

Colaborou
Rosana Janete Dall Asta, educadora do método de ginástica cerebral

Gostou? Compartilhe