Antecipada vacinação contra Influenza para os povos indígenas

Antecipação se deve à situação de vulnerabilidade da população indígena, que receberá as equipes de vacinação em suas aldeias

Escrito por
,
em
Foto: Neusa Jerusalém/Ascom SES

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (A-H1N1, A-H3N2 e Influenza B), que começa na quinta-feira (16/4), incluirá também os povos indígenas como prioritários. A antecipação se deve à situação de vulnerabilidade dessa população, que receberá as equipes de vacinação em suas aldeias, quando serão adotadas todas as medidas de prevenção e controle do novo coronavírus.

Conforme o Ministério da Saúde, as vacinas seguirão até os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) de carro, barco ou avião, sempre observando as recomendações de conservação da temperatura e de armazenamento das doses. O esforço atende à determinação sanitária de aumentar a cobertura da vacina contra Influenza, que causa significativos problemas de saúde aos povos indígenas. Apesar de não proteger contra o coronavírus, a vacina contra Influenza tem o objetivo de diminuir a ocorrência de casos graves, que podem levar a hospitalizações e óbitos.

Esta nova fase da campanha também é destinada a doentes crônicos, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, forças de segurança e salvamento, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários, além de povos indígenas. A identificação dos profissionais de segurança fica a cargo da organização de cada município durante a campanha.

A última e terceira etapa começa no dia 9 de maio. Os grupos prioritários serão crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), adultos de 55 a 59 anos de idade, pessoas com deficiência e professores.

Gostou? Compartilhe