Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza é prorrogada até 30 de junho

Recomendação é que as doses disponíveis devem continuar sendo destinadas a grupos prioritários

Escrito por
,
em
Foto: Erasmo Salomao/Ministério da Saúde

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Estados que ainda não atingiram a meta de vacinar 90% dos grupos prioritários contra a influenza (H1N1, H3N2 e influenza B) poderão continuar imunizando a população até 30 de junho. No Rio Grande do Sul, a cobertura vacinal foi de 66,42% do público-alvo estimado em 5.069.591, com 3.367.042 doses aplicadas em todos os grupos prioritários.

Dados parciais do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), no que se refere aos resultados da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, demonstram que foram vacinadas, até 25 de maio, 48.059.096 pessoas de um total de 77.728.419, com alcance da cobertura vacinal de 61,83%.

Em todo o Brasil, a meta de cobertura vacinal (90%) foi alcançada para os grupos de pessoas com 60 anos ou mais (113,3%) e trabalhadores da saúde (103,01%). Não foi alcançada para os outros grupos prioritários.

A vacinação contra influenza tem por objetivo a redução do número de complicações, internações e índice de mortalidade decorrentes das infecções pelo vírus da gripe, nos grupos-alvo definidos, em especial frente à pandemia de coronavírus.

A recomendação é que as doses disponíveis nos municípios devem continuar sendo destinadas aos grupos prioritários já elencados:

• pessoas de 60 anos ou mais
• trabalhadores da saúde
• profissionais das forças de segurança e salvamento
• pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais
• adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas
• população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional
• caminhoneiros
• motoristas e cobradores de transporte coletivo
• portuários
• povos indígenas
• crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade
• pessoas com deficiência, gestantes e puérperas até 45 dias
• adultos de 55 a 59 anos de idade
• professores das escolas públicas e privadas

Gostou? Compartilhe