Cirurgia plástica em crianças: quais são os casos?

Medicina & Saúde - Os números cresceram muito devido aos avanços das técnicas cirúrgicas e anestésicas, que tornaram os procedimentos estéticos e reparadores muito mais confortáveis e seguros, tanto para as crianças quanto para os pais e médicos.

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), são realizadas 127.887 mil cirurgias plásticas por ano em crianças, o que representa 21% do total de procedimentos cirúrgicos estéticos ou reparadores no Brasil.

Os números cresceram muito devido aos avanços das técnicas cirúrgicas e anestésicas, que tornaram os procedimentos estéticos e reparadores muito mais confortáveis e seguros, tanto para as crianças quanto para os pais e médicos. Dessa forma, é muito incomum ser submetido a uma cirurgia na infância e ter más lembranças do procedimento. Pelo contrário, o tratamento bem realizado pode trazer grandes benefícios no âmbito estético, no desenvolvimento da personalidade da criança e na satisfação dos pais.

Segundo o cirurgião plástico Alderson Luiz Pacheco, de Curitiba, as cirurgias reparadoras são as mais realizadas em crianças de até três anos de idade, abrangendo principalmente a correção das más formações inatas, como, por exemplo, fissuras de lábio e palato. “A cirurgia para correção da fissura labial pode ser realizada, em alguns casos, já nos três primeiros dias de vida, mas tudo depende da avaliação do cirurgião”, ressalta o especialista.

Quando se trata da estética, a cirurgia mais procurada para as crianças é a Otoplastia, a correção das “orelhas de abano”. Porém, este procedimento só pode ser realizado após os quatro ou cinco anos de idade, quando a orelha já está desenvolvida o suficiente. Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, graduado em medicina pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduado em Cirurgia Geral pelo Hospital de Clínicas da UFPR, Pacheco comenta que, quando necessário, é indicado realizar esse procedimento quando a criança ainda está na fase pré-escolar, para evitar problemas de socialização com outras crianças – este pequeno “defeito” pode ser motivo de chacota entre os colegas de turma.

 

Cirurgias reparadoras

As cirurgias reparadoras também são bastante realizadas nesta faixa etária. Muitos acidentes domésticos envolvendo crianças acontecem nessa idade, ocasionando, entre outros problemas, queimaduras e quedas (que causam fraturas) - que podem ter seus efeitos minimizados ou até resolvidos por meio dos procedimentos plásticos. Tumores congênitos de face, cabeça e pescoço também são frequentemente operados, assim como são comuns as cirurgias para corrigir cicatrizes de aspecto inadequado.

Outras deformidades que podem – e devem – ser corrigidas ainda na infância são a Polidactilia (excesso de dedos) e Sindactilia (dedos colados), a Microtia ou agenesia de orelha, - a ausência parcial ou total do pavilhão auricular - e Nevus, as pintas, que podem ser gigantes – e quando isso acontece, exigem um grande número de intervenções para remoções parceladas, já que a retirada total pode deixar sequelas.

Apesar de todos os problemas apresentados anteriormente, o Dr. Alderson Pacheco, cirurgião da Clínica Michelangelo, ressalta que “diante de qualquer deformidade que a criança venha apresentar, as mães de hoje em dia podem ficar tranquilas. A ciência médica possui soluções bastante razoáveis para quase todos os problemas”, conclui o médico.

Gostou? Compartilhe