Dia de Atenção à Disfagia

Parceria HSVP/UPF promoveu atividade de avaliação

Escrito por
,
em
Profissionais avaliaram pacientes no Hospital São Vicente

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A data de 20 de março foi instituída pela Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia como Dia de Atenção à Disfagia para alertar à população sobre as implicações da Disfagia. Por isso, para marcar a data a equipe de Fonoaudiologia do Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo, em parceria com o curso de Fonoaudiologia da Universidade de Passo Fundo (UPF), realizaram nos dias 16 e 17 de março, triagens para detecção de risco para disfagia em 10 unidades de internação do hospital. 

 

Avaliação
A atividade avaliou 166 pacientes e a equipe encontrou 43,98% de risco para disfagia, sendo 24,7% baixo risco e 19,28% de alto risco. Conforme a fonoaudióloga do HSVP, Sabrina Reginato, as alterações da deglutição são diagnosticadas e tratadas conjuntamente por médicos, enfermeiros, nutricionistas e, fundamentalmente, fonoaudiólogos, que são os profissionais aptos ao trabalho específico da função. “A disfagia não é uma doença por si só, mas um sintoma de que alguma alteração pode estar ocorrendo, sendo imprescindível a orientação e tratamento adequados, pois além de provocar problemas emocionais e isolamento social, traz consequências tais como: desidratação, desnutrição e pneumonia, podendo chegar ao óbito”, enfatizou a profissional, alertando ainda que a “atenção e o auxílio a pessoas com dificuldades em engolir são importantes para diminuir as complicações provocadas pela disfagia 

 

Sintomas
Os sintomas da disfagia são tosse frequente durante ou após comer e beber, engasgos, sensação de alimento parado na garganta e dificuldade ou lentidão durante a alimentação. “Os principais fatores de risco são prematuridade, doenças neurológicas, traumas de face, câncer de cabeça e pescoço e envelhecimento”, explica Sabrina, salientando que o fonoaudiólogo estuda, previne e trata os distúrbios da deglutição, atuando de forma precoce, ainda na beira do leito, de forma preventiva, intensiva, pré e pós-cirúrgica, evitando ou minimizando as pneumonias aspirativas, promovendo uma recuperação mais rápida e completa.

Gostou? Compartilhe