Fonoaudióloga do HSVP apresenta trabalho sobre Teste da Linguinha

O estudo aborda os dados obtidos desde o início da aplicação do Protocolo de Avaliação de Frênulo Lingual em Bebês

Escrito por
,
em
Trabalho sobre Teste da Linguinha foi realizado no HSVP

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As fonoaudiólogas Laura Cristine Giacometti e Sabrina Reginato, estiveram representando o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, no 11º Encontro Brasileiro de Motricidade Orofacial, em Porto Alegre, no mês de maio. No encontro, foram abordadas as evidências atuais e as perspectivas no âmbito da fonoaudiologia no que diz respeito as tecnologias e inovações na avaliação e tratamento na área de motricidade orofacial.


Na oportunidade, a fonoaudióloga Laura  apresentou o trabalho científico “Teste da Linguinha: da implantação aos dias atuais” realizado na instituição. O estudo aborda os dados obtidos desde o início da aplicação do Protocolo de Avaliação de Frênulo Lingual em Bebês (Martinelli, 2013) até os dias atuais. Laura explica que, a partir de janeiro de 2014, no momento da realização do Triagem Auditiva Neonatal (Teste da Orelhinha), incluiu-se a avaliação anatomofuncional do frênulo lingual (Teste da Linguinha) afim de observar presença de possíveis alterações.
            

Os dados obtidos com a pesquisa foram de que no ano de 2014, 2953 recém-nascidos foram atendidos, sendo que 1786 (60,48%) realizaram o teste da linguinha. Em 2015, foram 2813 bebês atendidos e 2505 (89,05%) realizaram o teste da linguinha. Já em 2016, 2610 receberam atendimento e em 2017 foram 2774 recém-nascidos, sendo que 100% dos bebês realizaram o Teste da Linguinha. “Foram encontrados frênulos com alterações leves a alterações graves (anquiloglossia), sendo que o percentual geral, considerando qualquer alteração, foi de 19,65%. Os pacientes com alterações leves foram encaminhados para acompanhamento ambulatorial para verificação da necessidade de intervenção cirúrgica, após aplicação do protocolo Martinelli, 2013”, constatou Laura, pontuando ainda que, a pesquisa mostrou uma defasagem de 23,39% do retorno ambulatorial.
            

O estudo permitiu a Laura, a conclusão de que o objetivo da realização do Teste da Linguinha em todos os recém-nascidos da instituição foi atingido, mas que ainda se encontra dificuldade na realização do procedimento para liberação da mobilidade do frênulo após alta hospitalar.

Gostou? Compartilhe