O frio e suas doenças

Medicina & Saúde - O outono e o inverno chegam trazendo temperaturas mais baixas, chuvas mais frequentes e... doenças respiratórias. Um dos principais motivos para a maior incidência desses problemas são os ambientes fechados, com pouca ventilação, que são propícios para a propagação dos vírus que causam essas doenças.

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Anualmente é promovida a campanha nacional de vacinação contra a gripe, que acontece normalmente entre os meses de abril e maio, com o intuito de fazer com que a população esteja protegida com a chegada dos dias mais frios. Isso, porque a vacina demora cerca de 20 dias para começar a ter o efeito esperado. Entretanto, os picos das gripes ocorrem normalmente entre os meses de junho, julho e agosto. Então, ainda dá tempo de se vacinar e evitar diversos incômodos que chegam com essas doenças.

De outro lado, embora a estação não seja a primavera, a época é propícia para o aparecimento das rinites. Porém, não as alérgicas, mas as virais. Quando o assunto são crianças e idosos, todo o cuidado é pouco, por isso é preciso estar bastante atento para os sintomas. Conforme o médico alergista Arnaldo Porto Neto, quando os sintomas semelhantes aos dos resfriados permanecerem para além de 10 dias, é preciso procurar um médico, pois o caso pode estar evoluindo para uma sinusite.

 

Medidas de prevenção

O Ministério da Saúde recomenda a adoção de medidas de higiene pessoal para evitar a contaminação por influenza. É importante higienizar as mãos com água e sabão, com frequência, principalmente depois de tossir ou espirrar; após usar o banheiro; antes de comer; antes de tocar os olhos, boca e nariz.

Também é recomendável que as pessoas evitem tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies; usar lenço de papel descartável e proteger a boca e o nariz ao tossir ou espirrar. É aconselhável ainda ao doente não sair de casa enquanto estiver em período de transmissão da doença (até sete dias após o início dos sintomas), para diminuir a chance de disseminação e evitar aglomerações e ambientes fechados.

 

Tratamento com Tamiflu

Todos os estados estão abastecidos com o Fosfato de Oseltamivir, medicamento conhecido comercialmente como Tamiflu. O Ministério da Saúde mantém estoque estratégico do remédio. Cada caixa contém 10 comprimidos, suficientes para um tratamento completo.

Técnicos do Departamento da Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde monitoram os almoxarifados estaduais e, caso haja necessidade ou novas solicitações, mais remessas serão enviadas. O medicamento é oferecido gratuitamente na rede pública e reduz complicações e óbitos pela doença.

A prescrição e o acesso rápido ao Tamiflu é uma das principais recomendações do Protocolo de Tratamento de Influenza 2013, manual que orienta e atualiza a conduta dos profissionais de saúde no manejo da doença. Para atingir sua eficácia máxima, o medicamento deve ser tomado nas primeiras 48 horas após o início da doença, na forma grave. Entretanto, mesmo ultrapassado esse período, o Ministério da Saúde indica a prescrição do antiviral.

Todas as pessoas integrantes dos grupos que tenham condição ou fator de risco e que apresentem sintomas de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) - como crianças menores de dois anos, gestantes, puérperas, indígenas, idosos, obesos e doentes crônicos - devem tomar o medicamento mesmo que não ocorra o agravamento da doença.

 

 

Entrevista

Medicina & Saúde – O final do outono ainda é propício para o aparecimento das alergias respiratórias?

Arnaldo Porto Neto – Sim, apenas o que muda são os antígenos que desencadeiam as reações alérgicas. Nessa época do ano, existe a predominância dos ácaros (poeira) e fungos (mofo). Entretanto, uma das causas mais comuns que nessa época do ano causam crises e sintomas e rinite são os vírus. Existem determinados tipos de vírus que dão sintomas de rinite semelhantes à rinite alérgica, porém se trata de uma rinite infecciosa, viral. Há um vírus, o rinovírus, que é o do resfriado comum, que em crianças maiores e adultos, pode dar sintomas iguais à rinite alérgica comum, tais como nariz escorrendo ou entupido, coceira no nariz e nos olhos, lacrimejamento, irritação na garganta, tosse, mas são sintomas de uma doença que no prazo de cinco a dez dias passa, a pessoa está recuperada.

 

Medicina & Saúde – Quais os sintomas que devem levar a pessoa a procurar um médico?

Arnaldo Porto Neto – A rinite alérgica responde rapidamente ao tratamento com antialérgico, de 24 a 72 horas a pessoa já está assintomática. O resfriado tem um ciclo, que dura em média de sete a dez dias. Então, todo sintoma de resfriado que não melhoram em até dez dias requer que o paciente procure um médico para afastar que esteja fazendo uma sinusite. O sintoma mais comum de sinusite não é a dor de cabeça, como existe a crença popular, são na verdade os sintomas nasais: tosse e congestão nasal.

 

Medicina & Saúde – Mesmo estando próximo o período do inverno, a vacinação contra a gripe ainda é importante?

Arnaldo Porto Neto – Sim, é importante ainda fazer a vacina contra o influenza, porque a maior predominância é no mês de julho. O pico é nos meses de junho, julho e agosto no nosso meio. As pessoas que ainda não fizeram a vacina devem fazê-la o quanto antes.

 

Medicina & Saúde – Como a vacina age no organismo, causando esta proteção?

Arnaldo Porto Neto – Ela desenvolve anticorpos contra os vírus do influenza. Este ano são dois vírus do influenza A e um vírus do influenza B.

Gostou? Compartilhe