OSTEOPOROSE: Alerta para o risco da segunda fratura

O alerta da SBOT não é apenas para o leigo, mas também para o ortopedista que, muitas vezes mais preocupado em reparar o dano no fêmur ou no punho do paciente, deixa de encaminhá-lo para um especialista em osteoporose, a quem cabe verificar o nível da doença e como corrigir o problema.

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quando alguém fratura o punho, tornozelo ou costela ao sofrer uma queda da própria altura, como por exemplo, ao cair após tropeçar, não basta só tratar o membro quebrado, é preciso avaliar a necessidade de começar imediatamente o tratamento para evitar novas fraturas, na maior parte das vezes por osteoporose. O alerta é da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, tão preocupada com o aumento da incidência da doença, que inicia uma campanha nacional para mostrar que uma simples queda não deveria provocar a fratura de um osso, e se isso acontecer, é preciso buscar a causa e resolver o problema e não apenas cuidar da fratura.
“A mudança de hábitos de vida, que torna o jovem mais sedentário, com alimentação inadequada e tão envolvido nos estudos que não tem tempo de tomar sol acaba fazendo com que a osteoporose ocorra mais cedo e os ossos fiquem frágeis”, explica Márcio Passini, do Comitê de Doenças Osteometabólicas da SBOT. Ele explica que uma fratura causada por uma queda da própria altura é um sinal de que a refratura e provavelmente a terceira e a quarta fratura se seguirão, e nesses casos o risco de morte existe e precisa ser levado em conta.
O alerta da SBOT não é apenas para o leigo, mas também para o ortopedista que, muitas vezes mais preocupado em reparar o dano no fêmur ou no punho do paciente, deixa de encaminhá-lo para um especialista em osteoporose, a quem cabe verificar o nível da doença e como corrigir o problema. “O mais triste nesses casos é que sabemos que a medicação e algumas simples mudanças nos hábitos de vida são extremamente eficazes e é possível recuperar o paciente de forma rápida e com pouca despesa”, diz o médico.

Pioneirismo
O Brasil foi o primeiro País a combater sistematicamente o risco da refratura, com a criação da ‘Prevrefrat’, no Rio de Janeiro que, com base no Hospital de Ipanema e agora também em Brasília, conseguiu 97% de redução da ocorrência da segunda fratura. “Tratamos 450 pacientes e só registramos 16 fraturas”, explica Bernardo Stolnick, presidente do Comitê de Doenças Osteometabólicas da SBOT.
O médico recomenda o acesso ao site www.prevrefrat.org e conta que a importância do tema pode ser medida por recente pesquisa sobre pacientes, idosos principalmente, operados após fratura do fêmur. “O estudo mostrou que 55% deles tinham sofrido uma outra fratura prévia, mas esse verdadeiro aviso não foi levado em conta, a osteoporose evoluiu e acabaram sofrendo a segunda fratura”.
“Uma primeira fratura e principalmente se causada por um trauma que não parece grave é um alerta de fragilidade óssea”, insiste. “Está na hora do Brasil se preocupar com o tema, já que com o envelhecimento da população, mais gente chega à idade em que é mais comum a ocorrência da osteoporose e, do ponto de vista médico, é melhor prevenir que remediar”, completa Stolnick. Hoje o mundo está preocupado com o problema, a Europa iniciou um programa semelhante ao ‘Prevrefrat’ brasileiro. As estatísticas internacionais mostram que, cuidando-se da osteoporose precoce e mesmo do idoso, em quase 70% dos casos se evita a segunda fratura.

Gostou? Compartilhe