Pesquisa mostra que 56% dos fumantes reduziram consumo na quarentena

O levantamento mostrou ainda que 46% dos brasileiros tabagistas relataram sentir mais vontade de fumar durante o período

Escrito por
,
em
A pesquisa do Unoeste ouviu 128 fumantes (Foto: Paweł Czerwiński/Unsplash)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De acordo com a pesquisa, a maioria dos fumantes brasileiros diminuiu o uso de tabaco e derivados no período da quarentena. O estudo, intitulado Influência da Pandemia da Covid-19 no Nível de Dependência a Nicotina e nos Hábitos de Consumo de Tabaco e Derivados, ouviu 128 pessoas tabagistas. A pesquisa é das faculdades de Fisioterapia e Medicina da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste)

Segundo a pesquisa, a maioria dos fumantes, 56,2%, disse ter reduzido o consumo de cigarros ou similares na quarentena; 37,5% afirmaram que aumentaram o consumo de um a dez cigarros a mais ao dia; e 6,1% declararam que elevaram o consumo acima de dez cigarros a mais por dia.

O levantamento mostrou ainda que 46% dos brasileiros tabagistas relataram sentir mais vontade de fumar durante o período; mas também que 42% disseram estar mais motivados para parar de fumar no período da pandemia. 

“Um ponto interessante é que uma boa parcela dos fumantes está enxergando a pandemia como uma motivação para deixar o hábito de fumar, o que reforça que este é um oportuno momento para os profissionais de saúde intervir e orientar estes indivíduos sobre estratégias para deixar o cigarro e seus derivados de vez”, destacou a professora de Fisioterapia da Unoeste Ana Paula Coelho Figueira Freire, uma das coordenadoras do projeto.

A pesquisa mostrou ainda que os tabagistas ouvidos têm um elevado grau de conhecimento sobre a relação de complicações da covid-19 e o hábito de fumar. “Os dados apontam que 77,3% deles sabem que o consumo de cigarro e derivados podem agravar os sintomas da doença e levar a maiores complicações”, ressaltou a coordenadora.

Gostou? Compartilhe