Software vai auxiliar a gestão de casos da Covid-19

Todas as informações obtidas pelo software são protegidas com acesso apenas pelas secretarias de saúde

Escrito por
,
em
Foto: Divulgação

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Universidade de Passo Fundo (UPF), por meio da Fábrica Experimental de Desenvolvimento de Software (FabSoft), está auxiliando no desenvolvimento de um software para que as secretarias de saúde possam fazer a gestão dos casos da Covid-19.

De acordo com o professor Me. Jaqson Dalbosco, o software possibilita, dentre várias funções, a visualização georreferenciada dos casos permitindo a identificação dos focos em locais com maior número de infectados, os casos suspeitos, os casos confirmados, os pacientes em isolamento, recuperados, mortes, entre outras informações para a gestão dos casos no município, como o registro individual dos atendimentos, encaminhamentos realizados e agenda para procedimentos de acompanhamento caso a caso.

O software está sendo desenvolvido voluntariamente pelo egresso do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da UPF Casca, Luigi Vivian, que em 2018 foi bolsista de extensão na FabSoft, desenvolvendo naquele ano um projeto semelhante em uma parceria da Fabsoft, dando origem à estrutura do software atual. Vivian conta com o auxílio do estudante do curso de Ciência da Computação Luiz Henrique Vieira Frandoloso e a orientação dos professores Dalbosco, Me. Victor Billy da Silva e Dr. Alexandre Lazaretti Zanatta.

Tela de visualização dos casos para as Secretarias
Tela de visualização dos casos das secretarias. Foto: Divulgação/UPF

Buscando soluções para um problema

De acordo com Vivian, a experiência de quando era estudante da UPF possibilitou que o projeto se desenvolvesse. “O curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas me ensinou que para desenvolver um software, primeiro precisamos encontrar um problema, para depois propor uma solução. Foi então que comecei a analisar o cenário ao meu redor, e o primeiro problema que veio em minha mente foi da Covid-19. De primeiro momento não me veio uma ‘solução’ para esse problema por ser algo muito complexo. Fiquei com essa ideia na cabeça, e em algum momento me lembrei que em 2018, enquanto atuava como bolsista na Fábrica de Software, havia desenvolvido uma aplicação integrada com o Google Maps com a finalidade de mapear e gerenciar casos de pacientes com hipertensão. Foi aí que pensei em usar a mesma ideia, porém voltado para os pacientes da Covid-19”, contou.

O professor Dalbosco, coordenador do projeto da FabSoft, ressaltou sobre a importância de aliar o uso da tecnologia para contribuir em uma causa tão relevante. “O projeto também buscou junto ao departamento de Tecnologia da Informação (DTI) da Universidade disponibilizar a infraestrutura e condições favoráveis à implantação e disponibilização do software para uso pelas secretarias”, explicou.

Construindo soluções

O professor Billy da Silva, colaborador da FabSoft, relata que em contato prévio foi detectado que as secretárias estavam utilizando planilhas eletrônicas para a gestão, tendo dificuldades nesta tarefa tão importante no momento. “Além da gestão, o software desenvolvido traz a questão do georreferenciamento, o que possibilita identificar possíveis epicentros dentro do município. Estamos elaborando gráficos e relatórios com informações pertinentes para o auxílio na gestão desta pandemia pelos secretários e suas equipes”, destacou.

A Fabsoft é vinculada ao Instituto de Ciências Exatas e Geociências (Iceg) e conforme seu diretor professor Dr. Luiz Marcelo Darroz, é uma satisfação poder contribuir com a comunidade. “O Iceg em 2020 completa 50 anos, sempre com o objetivo de auxiliar o desenvolvimento regional. O desenvolvimento deste software é mais uma ação que demonstra nosso compromisso com a comunidade, aliando a teoria com a prática”, afirmou.

Conforme os professores, todas as informações obtidas pelo software são protegidas com acesso apenas pelas secretarias de saúde. Em sua fase inicial, o software conta com o apoio de três secretarias de saúde da região norte do Rio Grande do Sul, sendo Passo Fundo, Serafina Corrêa e Soledade. Uma versão de validação já está disponível para uso nestes municípios. O software também poderá ser disponibilizado para outras secretarias que demonstrarem interesse, que poderão fazer contato pelo e-mail fabsoft@upf.br.

Gostou? Compartilhe