Técnica pioneira melhora a assistência aos prematuros no HSVP

O Casulo tem formato de saquinho, e a ideia surgiu quando Jaqueline percebeu que os bebês prematuros precisavam de algo para ficar mais aconchegados dentro da incubadora. Então começou a procurar um tecido que fosse maleável e desenvolveu vários modelos, até chegar no Casulo que é utilizado hoje

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Profissionais especializados, equipamentos de ponta e cuidado humanizado são essenciais no atendimento de bebês prematuros. O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo é referência no interior do estado nesse quesito e busca sempre, novas técnicas para aprimorar a assistência aos bebês. Dentro desta proposta a médica neonatologista, pediatra e coordenadora do Centro de Tratamento Intensivo Neonatal (CTI) e Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCO) do HSVP, Jaqueline Cabeda, desenvolveu a técnica chamada “Casulo”. A iniciativa pioneira tem por objetivo acalmar os bebês, auxiliar no ganho de peso, além de garantir conforto e carinho.

O Casulo tem formato de saquinho, e a ideia surgiu quando Jaqueline percebeu que os bebês prematuros precisavam de algo para ficar mais aconchegados dentro da incubadora. Então começou a procurar um tecido que fosse maleável e desenvolveu vários modelos, até chegar no Casulo que é utilizado hoje. “O saquinho que recebeu o nome de Casulo é fechado em cima e embaixo, e forma uma membrana como se o bebê estivesse dentro da barriga da mãe. Como o tecido é maleável, ele se mexe normalmente dentro do Casulo”, conta a especialista, destacando que a técnica faz uma contenção fisiológica que deixa o bebê mais tranquilo. “Todos os bebês estáveis, a partir do sétimo dia já estão liberados para fazer o Casulo. Depois que iniciamos a técnica percebemos um maior ganho de peso, os bebês se sentem mais seguros, não se assustam tanto com os ruídos e choram menos”, salienta Jaqueline.

As equipes de enfermagem do CTI Neonatal e UCINCO, que auxiliam no desenvolvimento da técnica também relatam a resposta positiva dos bebês ao uso do Casulo. “ A iniciativa é muito boa. Os bebês ficam em posição fetal, se organizam, ganham peso e com isso diminuem o tempo internação. O cuidado torna-se mais humanizado e quem ganha são os pais e os bebês”, aponta a enfermeira Mariana Dal Molin.

Débora Falcão Gracioli, mãe da pequena Lara Gracioli Kobs, que está a um mês no CTINeonatal, se encantou com a técnica. Ela conta que os bebês ficam tranquilos quando estão usando o Casulo. “Eles se sentem aconchegados, como se estivessem dentro da barriga da mãe. É lindo ver eles bem tranquilos, esticando a perna, depois o braço e dormindo. Com certeza eles adoram”.

 

Gostou? Compartilhe