Técnica Ponseti para correção do pé torto congênito

A conscientização é importante, pois é necessário iniciar o tratamento na primeira ou segunda semana de vida

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Com incidência de 1 a 4 em 100.000 crianças, o Pé Torto Congênito é uma alteração genética que resulta em um pé virado para dentro. A conscientização é parte importante desta patologia já que o tratamento padrão é a Técnica Ponseti e, o ideal, é que ele inicie já na primeira ou segunda semana de vida do bebê, para aproveitar a elasticidade favorável dos tecidos que formam ligamentos, articulações e tendões dos pezinhos. “A deformidade já é bem evidente ao nascimento, inclusive podendo ser identificada no pré-natal, no exame morfológico. Assim a deformidade não levanta dúvidas quanto a necessidade de procura médica imediata”, explica o ortopedista pediátrico Dr.Jung Ho Kim. Na clínica IOT, que é um centro de referência para o tratamento de Pé Torto Congênito, são atendidos, em média, 60 novos casos por ano.

 

A Técnica Ponseti
O tratamento é baseado no entendimento da anatomia funcional do pé e da resposta biológica de músculos, ligamentos e ossos às alterações de posicionamento obtidas pelas manipulações seriadas e aplicação de gesso. “A técnica Ponseti consiste em manipulações seriadas no pé. Após essa manipulação um gesso é aplicado após cada sessão semanal para manter a correção e o alongamento obtidos. Assim, os ossos são gradualmente trazidos para o alinhamento correto. No final da série de gessos é realizado um pequeno procedimento cirúrgico de alongamento do Tendão de Aquiles chamado de Tenotomia do Aquiles”, revela o especialista que é instrutor no Brasil da técnica. O tratamento dura em média aproximadamente dois meses, neste período cinco a sete gessos longos, da coxa ao pé, com os joelhos em ângulo reto são geralmente suficientes para corrigir a deformidade. Os pés mais rígidos podem requerer mais gessos para obtenção da correção máxima.

 

Órtese
Após a correção, para diminuir a possibilidade de recidiva, quando o último gesso é retirado, deve-se usar uma órtese tempo integral por três meses e depois apenas à noite por 14 horas noturnas, durante quatro anos. A órtese consiste de uma barra (com o comprimento da distância entre os dois ombros) com botinhas altas abertas na frente presas à barra. Uma tira de couro deve ser colada acima do calcanhar para impedir que os pés escorreguem para fora. A criança pode ficar desconfortável inicialmente quando tentar mover as pernas separadamente, mas logo aprende a mexer as duas pernas juntas. “As revisões com o médico ortopedista devem ocorrer a cada três meses nestes quatro anos de utilização da órtese”, frisa Dr. Jung.

Gostou? Compartilhe