Teste de medicamento em pacientes de Passo Fundo

Medicina & Saúde - Os pacientes se queixam de dor epigástrica ("dor no estômago"), sensação de empachamento e náuseas. Essa semelhança com doenças benignas leva muitas vezes ao diagnóstico tardio da doença, uma vez que a Endoscopia Digestiva é muitas vezes postergada, especialmente em pacientes jovens.

Escrito por
,
em
Nova medicação melhora o controle da doença e aumenta a expectativa de vida dos pacientes

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Embora a incidência dos tumores gástricos apresente uma redução significativa nas últimas décadas, eles constituem o segundo tumor maligno mais frequente no mundo todo. O número de pessoas que desenvolvem câncer de estômago é bastante alto no Japão, América do Sul e América Central. É a principal causa de morte por câncer em muitos destes países.

Os sintomas iniciais destes tumores podem ser bastante inespecíficos, e eventualmente se assemelhar a um quadro simples de gastrite.

Os pacientes se queixam de dor epigástrica ("dor no estômago"), sensação de empachamento e náuseas. Essa semelhança com doenças benignas leva muitas vezes ao diagnóstico tardio da doença, uma vez que a Endoscopia Digestiva é muitas vezes postergada, especialmente em pacientes jovens. Em alguns casos, pacientes que tem tumores mais altos podem se queixar de dificuldade de deglutição e refluxo ácido. 

Uma nova medicação vem demonstrando resultados animadores no tratamento do câncer de estômago. Esta medicação, um anticorpo monoclonal que bloqueia o receptor celular VEGFR-2, foi estudada em pacientes com câncer de estômago que haviam apresentado falha com o primeiro tratamento de quimioterapia.

O Centro de Pesquisa Clínica em Oncologia do Hospital da Cidade de Passo Fundo / Clínica Cito participou desde estudo internacional entre junho/2011 a abril/2013, sendo que 5 pacientes de Passo Fundo utilizaram este novo tratamento.

Em todo mundo foram estudados 355 pacientes e após a análise completa dos dados observou-se que esta nova medicação melhora o controle da doença e aumenta a expectativa de vida dos pacientes. Os resultados são recentes e ainda há um longo caminho para que esta medicação esteja disponível, mas o entusiasmo é grande, pois os resultados são superiores as medicações disponíveis atualmente no mercado.

Outro aspecto positivo é que por ser uma droga alvo ela tem demonstrado ser menos agressiva às células normais e mais eficientes contra o tumor.

Gostou? Compartilhe