Tuberculose: Casos preocupam em Passo Fundo

Número de pessoas que fazem o tratamento vem crescendo desde 2016

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A tuberculose tem causado preocupação em Passo Fundo. Há dois anos, o tratamento tem sido cada vez mais realizado e evidencia como a doença vem atingindo mais pessoas na cidade. No SAE (Serviço de Atendimento Especializado), 80 pessoas realizaram o tratamento em 2016 e no ano seguinte o número cresceu 50%. Em pouco mais de cinco meses, 80 pessoas já passaram ou estão passando pelo atendimento médico em 2018.

 

“Nos preocupa, sim”, afirma a enfermeira do SAE, Seila de Abreu. Por isso, os médicos das Unidades Básicas de Saúde da cidade estão avisados para encaminharem qualquer paciente com tosse para o atendimento. Febra vespertina, perda de peso, suores noturnos, presença de sangue no escarro, além de mal estar e fraqueza são outros sintomas da doença.

 

Pelo fato da doença ser transmitida por via respiratória, acaba se propagando facilmente, principalmente em ambientes fechados. A enfermeira alerta que os cuidados para se prevenir a tuberculose são parecidos com os da gripe H1N1: evitar ambientes fechados, pegar bastante sol e deixar a casa aberta para ventilação. Também tem aumentado os casos dentro do presídio, o que causa grande preocupação devido a quantidade de pessoas que estão em contato com o portador doença. Pessoas com HIV também possuem cerca de 10% de chance de contrair tuberculose.

 

No entanto, a enfermeira Seila também comenta sobre a possibilidade do número de pessoas que realizam o tratamento ter aumentado justamente pela população e o atendimento médico estarem mais atentos. “O que pode estar acontecendo é que estamos fazendo mais diagnósticos. Estamos tendo mais acesso, pensando mais em tuberculose”, completa o pneumologista, Vinicius Dal Maso.

 

Tratamento

O tratamento, com duração de seis meses, é feito com uso de quatro medicamentos diferentes: rifamicina, isoniazida, etambutol e pirazinamida. Um pouco de cada um dos remédios é colocado em um único comprimido e usado durante os dois primeiros meses. Nos últimos 120 dias, segue com apenas dois medicamentos.

 

Pelo longo período de tratamento, muitas pessoas acabam não terminando. A principal preocupação em Passo Fundo é com os moradores de rua, usuários de drogas e pessoas privadas de liberdade. Mesmo com o acompanhamento e visitas feitas por enfermeiros e pneumologistas dos SAE, os grupos tem maiores dificuldades. A taxa de abandono do tratamento foi de 20% durante o ano passado, em Passo Fundo. “O Rio Grande do Sul tem taxa de abandono de 13%. Infelizmente tem muita gente que morre por tuberculose pelo mundo. Mais de um milhão de pessoas morrem anualmente”, acrescenta o pneumologista.

 

Prevenção

A melhor forma de evitar a tuberculose é com a vacina BCG, geralmente feita no primeiro mês de vida. Pessoas que trabalham na área de saúde, tomam remédio que baixa a imunidade, possuem doenças pulmonares e câncer fazem parte parte do grupo de risco. “Às vezes a gente faz a prevenção tomando um dos remédios. Por exemplo, vai usar um remédio que baixa a defesa e teve contanto com a tuberculose, podemos tentar a prevenção”, finaliza o pneumologista.

Relacionadas

Gostou? Compartilhe