A dor mais frequente do ombro

Pela sua ampla capacidade de mobilidade, região de músculos do ombro chamada de Manguito Rotador é bastante suscetível a lesões que podem ocorrer devido a trauma, idade e ao esforço repetitivo. Equipe do IOT oferece tratamentos modernos para este tipo de lesão, adaptados a cada caso

Por
· 4 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A degeneração do sistema musculo-esquelético é um processo natural na espécie humana e inicia a partir dos 35-40 anos. O ombro, por ser a articulação que possui maior mobilidade do corpo humano, é diretamente afetado por este processo, principalmente na estrutura de músculos chamada de Manguito Rotador, que leva muitos pacientes com dor no ombro aos consultórios de ortopedia.
O ortopedista do IOT,Carlos Castillo Rodrigues,especialista em ombro, explica que a prevenção é a melhor maneira de evitar estas lesões e isso pode ser realizado com a execução de um programa de fortalecimento muscular e alongamento, desde que supervisionada por profissionais qualificados (educador físico ou fisioterapeuta). Por outro lado, atividades físicas não supervisionadas e excessivas podem levar ao trauma devido ao esforço repetitivo na região. Esportes como natação e vôlei utilizam bastante estas estruturas do ombro e por isso exigem cuidados especiais na área.
Na entrevista abaixo, o médico especialista explica os diversos aspectos implicados nas lesões do Manguito Rotador, como o diagnóstico e o tratamento que devem ser realizados o mais rápido possível a partir do momento que aparece sintomas de dor na região.

O que é o manguito rotador?
Trata-se de um grupo de 4 músculos que se originam na escapula (popular “paleta”) e terminam ao redor da cabeça do úmero : o Subescapular , o Supraspinhal e o Infraspinhal e redondo menor. Cada um destes músculos tem uma função específica, mas em conjunto, trabalham para movimentar e posicionar o membro superior em todas as posições possíveis. O manguito rotador realiza principalmente a função de rodar para dentro e para fora a cabeça do úmero tanto com o braço junto ao corpo quanto acima da cabeça.

Quais as lesões mais comuns?
Devido a grande mobilidade do ombro e sua caraterística anatômica impar, o Manguito Rotador é suscetível a sofrer lesão, tanto por acidentes (quedas), quanto por esforço repetitivo, podendo ser de caráter esportivo ou do trabalho. A lesão se associa principalmente à degeneração natural dos tendões ao longo da vida. Este processo degenerativo se inicia ao redor dos 35-40 anos e progride até o final da vida.

Como ocorrem as lesões?
A lesão é decorrente de atividades esportivas envolve várias fases: a inicial é caraterizada por inflamação do tendão e do tecido que recobre e protege o manguito rotador ( Bursa subacromial) ocasionando tendinite ou bursite.Caso o paciente continue com a atividade física, sem procurar o devido tratamento, a lesão evolui para uma lesão crônica, conhecida como tendinose, onde as fibras do tendão se tornam mais frágeis e podem levar à ruptura parcial do tendão.A última fase da lesão é a ruptura total do tendão. Esta fase pode levar anos para acontecer, a ruptura vai aumentando progressivamente de tamanho e abrange os outros tendões do manguito rotador, o que leva a perda da força de elevação do braço com limitação para realizar atividades com o braço afetado.Quando a lesão é decorrente de um trauma, geralmente acontece por queda sobre o ombro com o braço elevado ou estendido em casa ou no esporte, o que leva a uma tração exagerada e súbita dos tendões do Manguito rotador, ocorrendo a ruptura total.

Como é realizado o diagnóstico da lesão?
O diagnóstico é essencialmente clínico e deve realizado por médico, mediante história e exame físico minucioso e específico. A confirmação do diagnóstico é através de Raio X , ultrassom ou ressonância magnética.

Quais são as opções de tratamento?
A minha preferência na fase inicial é a infiltração de corticoide no ombro e anestésico local, o que leva a rápida melhora do processo inflamatório e alívio da dor. Além disso, se utiliza analgésicos e anti-inflamatórios. A fisioterapia é essencial tanto para alivio da dor, quanto para recuperação funcional e reforço especifico do manguito rotador para que o paciente volte o mais rápido possível às suas atividades.
Nos casos de ruptura total do tendão, está indicado o reparo cirúrgico o mais rápido possível para evitar a degeneração muscular que acontece a seguir. Esta degeneração (substituição de músculo por gordura) é irreversível e leva a perda definitiva da força, mesmo que o tendão seja reparado posteriormente.

Explique o tratamento cirúrgico:
Em nosso serviço no IOT, em conjunto com o Dr. Osvandré Lech e o Dr. Paulo Piluski, realizamos o reparo artroscópico (videoartroscopia) da ruptura do manguito rotador, por ser um método minimamente invasivo, com menor agressão aos tecidos do ombro e ser uma técnica moderna que traz resultados pós-operatórios satisfatórios.
A cirurgia se realiza sob anestesia geral e bloqueio anestésico dos nervos da região afetada. Com o paciente em posição semi-sentada (cadeira de praia), se realizam pequenas incisões ao redor do ombro onde são colocadas a câmara e as pinças especiais para a reconstrução do tendão. Para costurar o tendão lesionado são utilizados pequenas âncoras, que seguram o tendão no lugar anatômico normal. A estada no hospital é de menos de 24h, geralmente em regime ambulatorial.

Como funciona a recuperação?
A recuperação pós-operatória passa pela imobilização do ombro com o uso de uma tipoia. Recomendamos exercícios caseiros para a recuperação já na segunda semana. A seguir, o paciente inicia a fisioterapia. A cicatrização do tendão pode levar de 90 a 100 dias; após este período o paciente é liberado para iniciar o fortalecimento muscular progressivo e retorno as atividades físicas. A recuperação total, com ausência de dor, satisfação plena e retorno da força e mobilidade, varia muito de paciente para paciente, de acordo com o tamanho e degeneração do tendão, levando em média de 6 a 8 meses.

 

Gostou? Compartilhe