A importância do consumo de proteínas

Elas atuam do crescimento à reparação de tecidos

Por
· 2 min de leitura
Claudia Pimentel é nutricionista no Hospital de Clínicas de Passo Fundo e tem especialização em Nutrição Oncológica e Nutrição Clínica

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As proteínas não podem ficar de fora numa alimentação equilibrada, pois têm participação em todas as estruturas do corpo, da formação de músculos às funções do sistema nervoso. Ainda produzem neurotransmissores, hormônios e enzimas importantes nas funções básicas do corpo. A nutricionista Claudia Pimentel, que atua no Hospital de Clínicas de Passo Fundo, enaltece a importância das proteínas. Destaca que o organismo necessita de uma quantidade balanceada de macronutrientes que são as proteínas, lipídios e carboidratos, existindo recomendações diárias de sua ingestão para a bom funcionamento do organismo e manutenção da saúde.

 

O que é?
A proteína é um macronutriente fundamental para o crescimento, construção e reparação dos tecidos do organismo. Participa ativamente de vários processos metabólicos e de muitas outras funções do corpo. Faz parte da constituição de qualquer célula (células sanguíneas – hemácias, células nervosas do cérebro, células dos músculos, coração, fígado, das glândulas produtoras de hormônios entre outros) e da composição do sistema imunológico corporal. As proteínas são formadas por aminoácidos, existem 20 aminoácidos necessários, dos quais 9 são “essenciais” e não produzidos pelo corpo, são obtidos a partir da alimentação.

 

Consumo
A Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN) recomenda a ingestão diária de proteína de 10 a 15% das necessidades de energia do organismo, ou em torno de 1g de proteína por kg de peso. Ela deve ser consumida de forma uniforme ao longo do dia, distribuída em cada refeição.

 

Animal e vegetal
As proteínas se dividem nas de origem animal e de origem vegetal. Os alimentos mais ricos em proteína são os de origem animal como carne, peixe, ovo, leite, queijo e iogurte, os quais contém toda a gama de aminoácidos “essenciais”. Além de estarem presentes em grandes quantidades, as proteínas desses alimentos também são de melhor qualidade, sendo mais facilmente utilizadas pelo organismo. As de origem vegetal estão presentes em boas quantidades nos vegetais como ervilha, feijão, soja, sementes e grãos e podem ser utilizados em uma dieta equilibrada para manter o bom funcionamento do corpo, além de serem importantes componentes de dietas vegetarianas.


Importância
Para os praticantes de atividade física ela é importante para a recuperação do corpo, elas auxiliam na reposição da reserva de glicogênio nos músculos e fígado, bastante utilizados durante o exercício, a maior absorção ocorre até duas horas após a atividade física e auxilia na recuperação pós-treinos. Estudos mostram que pessoas com baixa ingestão de proteína têm maior perda óssea e de massa muscular magra. Mas seu excesso, também pode causar danos ao organismo como sobrecarregar os rins e o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como aterosclerose. O fundamental é manter o equilíbrio na dieta, o qual tem papel no bem-estar físico e mental do organismo, na prevenção e manutenção da saúde. 

Gostou? Compartilhe