Atenção redobrada às brincadeiras

Os cuidados necessários com corpos estranhos

Por
· 1 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma preocupação constante dos pais e cuidadores está relacionada à segurança das crianças nas brincadeiras. Durante a fase de exploração dos pequenos aos ambientes, objetos pequenos e até alimentos requerem atenção redobrada. “Muito comum entre as crianças nos primeiros anos de vida, a presença de corpos estranhos deve ser alvo de atenção dos pais, pois os objetos são variados e improváveis, como: brinquedos, miçangas, grãos, sementes, moedas, papéis, espuma de estofados e muitos outros”, alerta a médica otorrinolaringologista do Hospital de Clínicas de Passo Fundo, Dra. Thaís Marques da Costa.

 

Atenção aos sintomas
Os objetos podem não ser percebidos em um primeiro momento, por isso a especialista orienta para a manifestação dos sintomas de que algo pode estar errado com os pequenos. “Os corpos estranhos podem permanecer despercebidos até que provoquem resposta inflamatória, causando dor, coceira, infecção, mau cheiro e otorreia purulenta.” esclarece a médica. “Se a criança inseriu algum objeto no ouvido, no nariz ou pela boca, é provável que ela apresente algum desses sintomas. Nariz: mau odor, sangramento, nariz entupido e secreção purulenta. Ouvidos: dor, secreção e diminuição da audição. Garganta: falta de ar e imediata, náuseas, salivação e desconforto”, alerta a Dra. Thaís. A médica otorrinolaringologista do HC explica como agir corretamente nestes casos. “Ao identificar algum corpo estranho na criança, mantenha a calma e leve-a imediatamente ao médico. Não tente remover o objeto, pois somente o especialista poderá fazê-lo com segurança.” orienta Dra. Thaís Marques da Costa, que também é membro da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia.

 

Gostou? Compartilhe