Como o cigarro pode prejudicar os períodos pré e pós-operatório

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Alcatrão, monóxido de carbono, nicotina, formol, solventes e amônia. Essas são apenas algumas das cerca de 4.700 substâncias tóxicas presentes no cigarro. Esses conteúdos somados aos demais presentes no cigarro causam, dentre vários problemas de saúde, a diminuição na capacidade de oxigenação sanguínea, causando obstruções vasculares e alterando a resistência que o sangue oferece ao seu próprio movimento – e isso pode causar um grande problema quando se trata de cicatrização, por exemplo.

Para pessoas que desejam fazer uma cirurgia plástica, é preciso parar de fumar por pelo menos sete dias antes do procedimento e três dias após a realização. “Mas o ideal mesmo é parar de fumar com meses ou semanas de antecedência. A nicotina interfere diretamente na cicatrização da pele – e, se a pele demora para cicatrizar, os microrganismos podem penetrar na cirurgia e produzir uma indesejada infecção” explica o cirurgião plástico Alderson Luiz Pacheco, de Curitiba.

O especialista comenta que tanto fumar o cigarro quanto somente a inalação da sua fumaça prejudicam na cicatrização, porque ambas as ações fazem mal às células formadoras de colágeno, os fibroblastos, que são essenciais para a cicatrização. “Além disso, o cigarro facilita com que haja a necrose da extremidade da pele descolada durante a cirurgia ou ainda trombose e embolias. Isso acontece porque a vasoconstrição apresentada pelo fumante diminui o fluxo de sangue, afetando o aporte de oxigênio aos tecidos, podendo ocasionar a necrose do tecido”, resume Pacheco.

Como se não bastasse, o cigarro também aumenta as chances de uma cicatriz hipertrófica e com quelóides. “Portanto, sempre lembro que: para quem é fumante, o ideal é programar a cirurgia com antecedência e suspender o fumo pelo menos um mês antes, pois além de aumentar as possibilidades da cicatrização ser bem sucedida, há também a chance de o resultado ser mais satisfatório, tanto para o paciente quando para o médico”, explica.
Para aqueles que desejam largar o vício, o médico indica algumas soluções práticas que podem ser seguidas no dia-a-dia. “Sempre digo para o fumante retardar a hora do primeiro cigarro. Assim, ele passa a consumir menos cigarros por dia. Outras dicas são mudar os hábitos – como, por exemplo, evitar locais que tenham muitos fumantes e escovar os dentes logo após a refeição. Essas pequenas atitudes ajudam a ficar longe do cigarro por mais tempo. Fazer atividades físicas e evitar o consumo de álcool também são pontos positivos” conclui Pacheco.

 

Gostou? Compartilhe