Dia D movimenta unidades de saúde em Passo Fundo

Dia D movimenta unidades de saúde em Passo Fundo

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Mais de 3 mil pessoas já procuraram as unidades de vacinação em Passo Fundo para imunização contra o sarampo desde o início da Campanha Nacional de Vacinação, em 10 de fevereiro. A coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica, Raquel da Silva Carneiro, considera que a campanha tem movimentado as unidades de saúde. Até o momento, 175 pessoas precisaram realizar alguma dose da vacina contra o sarampo.
No sábado, dia 15 de fevereiro, todas as unidades estiveram abertas. O dia “D” de mobilização nacional concentrou mais de metade do movimento registrado desde o início da campanha em Passo Fundo, com 1,841 pessoas procurando unidades para verificar a situação vacinal. Dessas, mais de 100 precisaram realizar alguma dose.
Nesta fase da campanha, crianças e jovens de 5 a 19 anos devem realizar a vacinação até o dia 13 de março. A coordenadora afirma que essa população deve buscar as unidades de saúde, preferencialmente, portando a carteira de vacinação. No entanto, pessoas de outras faixas etárias também podem procurar as unidades para conferir a situação vacinal. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 3 milhões de pessoas na faixa etária da campanha.

Campanha nacional

A campanha visa sensibilizar sobre os riscos do sarampo, uma doença altamente contagiosa e que pode matar. O Brasil ainda está com transmissão ativa em oito estados. No ano passado, foram registrados 18.203 casos e 15 óbitos. Neste ano, até 8 de fevereiro, há registro de 337 casos confirmados, inclusive no Rio Grande do Sul, com 11 casos.
A disseminação do vírus ocorre por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Não é necessário o contato direto porque o vírus pode se disseminar pelo ar a metros de distância da pessoa infectada. A estimativa é de que uma pessoa infectada pode transmitir para 90% das pessoas próximas que não estejam imunes.

Gostou? Compartilhe