Dia Mundial do Câncer

Data tem como objetivo aumentar a conscientização sobre a doença

Por
· 4 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Criado em 2005 pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) - organização não governamental que une a comunidade internacional com o objetivo de reduzir a carga global do câncer, para promover uma maior equidade, e para integrar o controle da doença na saúde mundial e na agenda de desenvolvimento -, o Dia Mundial do Câncer é celebrado nesta sábado (04) e tem como objetivo aumentar a conscientização sobre a doença, que mata 8,3 milhões de pessoas por ano no mundo.
O tema escolhido pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) para a campanha de 2017 é o câncer infantojuvenil, principal causa de morte por doença em crianças e adolescentes no Brasil. A campanha alerta a população sobre os sinais e sintomas e a importância do diagnóstico precoce. Cerca de 80% das crianças e adolescentes acometidos de câncer podem ser curados se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados.
Apesar de ser um tema recorrente, o câncer ainda provoca muitas dúvidas e a falta de informação, principalmente a respeito de questões como prevenção e diagnóstico precoce, pode ser um dos maiores problemas enfrentados por médicos e pacientes. Para esclarecer algumas das principais questões relacionadas ao tema, o caderno Medicina&Saúde conversou com a coordenadora médica do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital da Cidade, Júlia Pastorello. Confira a entrevista:

Medicina&Saúde - O câncer segue sendo uma das doenças que mais matam no mundo. Por que é tão difícil tratá-lo ou mesmo encontrar uma cura definitiva?
Júlia Pastorello - Estamos diante de uma doença pleomórfica e complexa, representada por um conjunto de mais de 100 tipos diferentes de câncer com vários fatores influindo na sua gênese e tratamento, vamos encontrar a cura para muitos tipos da doença, porém para outros as perspectivas atuais são menos promissoras.

Medicina&Saúde - Qual o cenário da pesquisa sobre câncer hoje no país?
Júlia Pastorello - São necessárias medidas para melhoria na estruturação dos sistemas de pesquisa, produzimos um número limitado de literatura a respeito e infelizmente as instituições de ensino possuem pouco incentivo para realizar pesquisas de maior impacto na área.

Medicina&Saúde - Muito se fala em prevenção, é possível evitar o câncer?
Júlia Pastorello - Sim! O reconhecimento de fatores ligados aos nossos hábitos de vida como nocivos a saúde, além da conscientização da necessidade dos exames de rastreio indicados conforme idade e fatores genéticos previnem o desenvolvimento de muitas neoplasias.
Medidas de controle da utilização crônica de bebidas alcoólicas e tabagismo, exposição a poluentes, radiação ultravioleta e agrotóxicos, alimentação inadequada e sedentarismo impactam positivamente na diminuição dos diagnósticos de câncer.

Medicina&Saúde - Hoje, quais são os tipos de câncer de maior incidência no Brasil?
Júlia Pastorello - O tipo de câncer mais incidente em ambos os sexos é o de pele não melanoma, para os homens, os cânceres mais incidentes são os de próstata, pulmão, cólon e reto.
Entre as mulheres, as maiores incidências são de cânceres de mama, cólon e reto e colo do útero.

Medicina&Saúde - Quais são os principais mitos e verdades que você observa no dia a dia a respeito do câncer?
Júlia Pastorello - São inúmeros, os principais mitos são que o câncer ou o tratamento seja contagioso a outras pessoas, que o tumor posso ter se originado de um trauma no local acometido, o contato com telefones celulares ou antenas de transmissão de energia possam originar a doença, ingestão de leite ou adoçantes dietéticos prejudica o tratamento ou que implantes de silicone podem causar câncer.
As verdades, quanto mais precoce o diagnóstico maior a chance de cura, mesmo doença considerada avançada possui cura em algumas situações, manter a ingestão de bebidas alcoólicas e fumo durante o tratamento diminui a eficácia do mesmo, falta de higiene nas regiões genitais pode causar a doença.

Sobre o câncer infantojuvenil
No Brasil, o câncer é a principal causa de morte por doença em crianças e adolescentes, sendo superada somente pelos acidentes e mortes violentas. Entre 2009 e 2013, o câncer foi responsável por cerca de 12% dos óbitos na faixa de 1 a 14 anos, e 8% de 1 a 19 anos. No Brasil, foram registradas 2.724 mortes por câncer infanto-juvenil em 2014 (ano mais recente com informações compiladas).
O INCA estima a ocorrência de 12.600 novos casos de câncer na faixa etária de zero a 19 anos em 2017. O chamado câncer infanto-juvenil inclui, na verdade, vários tipos de câncer. As leucemias representam o maior percentual (26%), seguida dos linfomas (14%) e tumores do sistema nervoso central (SNC) (13%).
As diferenças entre os cânceres infantis e de adultos consistem principalmente nos aspectos morfológicos (tipo do tumor), comportamento clínico (evolução) e localizações primárias. Nas crianças e nos adolescentes, a neoplasia geralmente afeta as células do sistema sanguíneo, o sistema nervoso e os tecidos de sustentação. Nos adultos, as células epiteliais, que recobrem os órgãos, são as mais atingidas. Enquanto o câncer no adulto apresenta mutações, geralmente em decorrência de fatores ambientais, no câncer pediátrico ainda não há estudos conclusivos sobre a influência desse aspecto.
Dados de um estudo sobre o panorama do câncer infantojuvenil1 divulgado pelo INCA e pelo Ministério da Saúde (MS) apontam que a sobrevida estimada no Brasil por câncer na faixa etária de zero a 19 anos é de 64%, índice calculado com base nas informações de incidência e mortalidade. O estudo apontou que a sobrevida varia de acordo com a região do País. Os índices são mais elevados nas regiões Sul (75%) e Sudeste (70%) do que no Centro-Oeste (65%), Nordeste (60%) e Norte (50%).

Colaborou
Júlia Pastorello - coordenadora médica do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital da Cidade.

Gostou? Compartilhe