Fatores de risco para quedas em mulheres na pós-menopausa

Isso poderia explicar porque essas mulheres são mais propensas a cair e sofrer fraturas futuras.

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um novo estudo publicado no Journal of Bone and Joint Surgery (JBJS) mostrou que as mulheres com fraturas de punho (fratura da extremidade distal do rádio) apresentam uma diminuição da força em comparação com pacientes similares sem fraturas. Isso poderia explicar porque essas mulheres são mais propensas a cair e sofrer fraturas futuras.

Os pesquisadores usaram uma variedade de testes de equilíbrio e força combinados com informações fornecidas pela paciente sobre seus hábitos de caminhada para avaliar o desempenho físico e o risco de quedas para as mulheres na pós-menopausa com ou sem fraturas de pulso anteriores. As fraturas de punho são as primeiras fraturas a aparecerem em mulheres menopausadas, servindo até mesmo como um sinal para a mudança de medicações no tratamento da osteoporose, mas pouco se sabe sobre os fatores que contribuem para o risco de queda dessas pacientes.

“É preciso lembrar que o principal significado desta fratura é o de alerta. A fratura em si não traz grandes complicações, porém, para as mulheres de meia-idade, uma fratura de punho pode ser um sintoma de perda de massa óssea causada pelo aparecimento da osteoporose. Esta é uma condição que afeta uma em cada duas mulheres acima dos cinquenta anos de idade. A osteoporose pode ser tratada, e, em alguns casos, a perda óssea pode mesmo ser revertida”, afirma o ortopedista Caio Gonçalves de Souza, doutor em Ciências pela FMUSP.

Gostou? Compartilhe