Foco na Vitamina D para os ossos

Menor exposição aos raios solares pode desencadear insuficiência de Vitamina D que é responsável por diversos mecanismos importantes no organismo como a absorção de cálcio.

Por
· 2 min de leitura
Luciana Barbosa Stoffel é nutricionista

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), metade da população mundial tem quantidades insuficientes de Vitamina D, sendo que alguns estudos associam às baixas taxas dessa vitamina a fraqueza óssea, osteoporose, problemas cardíacos, diabetes, câncer, demências e até doenças autoimunes, como a esclerose múltipla. A nutricionista da Osteotrati/IOT, rede de profissionais especializados no tratamento da osteoporose integrada à Clínica IOT e ao HSVP, Luciana Barbosa Stoffel, explica que os níveis de vitamina D caem no inverno em virtude da menor incidência de raios solares e também da menor exposição. Além disso, o uso de roupas compridas e fechadas para proteger do frio também impede o contato dos raios com a pele. “Para obter os níveis ideais da vitamina é necessário consumir alimentos fontes, porém, se com a alimentação e com a exposição aos raios solares não for possível manter a quantidade necessária de vitamina D, pode-se recorrer à suplementação com a prescrição de médico ou nutricionista, já que os excessos também são nocivos”, ressalta. A nutricionista explica sobre as maneiras de obter a vitamina e sobre os grupos de maior risco para a insuficiência do nutriente, como os idosos que possuem uma tendência maior a osteoporose.
 
Quais alimentos devem ser consumidos para a aquisição de vitamina D?
Apenas 10 a 20% da necessidade dos nossos organismos é obtida por meio da dieta. Os demais 80% a 90% necessários para a boa saúde originam-se da exposição à luz dos raios ultravioletas (UV) do sol. Alguns alimentos fornecem vitamina D. A quantidade ideal é 2 ou 3 porções deles ao dia. Exemplos: peixes gordurosos como salmão (selvagem), atum, sardinha. Cogumelos, leite e seus derivados, cereais enriquecidos, óleo de fígado de peixe, fígado de boi, gema de ovo.
 
Em quais casos é necessário suplementar?
A suplementação de vitamina D é indicada para as pessoas com mais de 65 anos de idade; crianças com raquitismo ou que raramente se expõem ao sol, como as que vivem em cidades em que faz muito frio; e indivíduos com osteoporose e baixa quantidade dessa vitamina, independentemente da idade. A reposição dessa vitamina, quando necessária, é feita de forma oral (gotas ou comprimidos) diária ou semanalmente. Em alguns casos também pode ser feita mensalmente de forma injetável. Nas pessoas que passaram por cirurgia bariátrica, a reposição é mais difícil, pois a vitamina D precisa de gordura para ser absorvida pelo organismo.
 
Quanto tempo de sol é recomendado para garantir a absorção da vitamina?
Ao se expor ao sol para obter a vitamina é importante não passar o filtro solar. Para evitar o câncer de pele, após os 15 a 20 minutos recomendados para obter a vitamina, passe o protetor solar. Braços e pernas devem estar expostos, pois a quantidade de vitamina D que será absorvida é proporcional à quantidade de pele que está exposta.
(Leia a entrevista completa no Medicina & Saúde da edição impressa de O Nacional deste final de semana)
 
 
Gostou? Compartilhe