Hipotireoidismo e hipertireoidismo

Como a produção de hormônios pela tireoide pode afetar o metabolismo

Por
· 2 min de leitura
Pérsio Stobbe é médico endocrinologista e atua no corpo clínico do Hospital São Vicente de Paulo em Passo Fundo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A tireoide é uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, produz hormônios e regula a função de órgãos importantes no corpo. Porém, quando a sua produção de hormônios fica acima ou abaixo do ideal afeta o metabolismo. O Dr. Pérsio Stobbe, endocrinologista que atua no corpo clínico do Hospital São Vicente de Paulo, explicou sobre a diferença entre essas alterações: o hipotireoidismo e o hipertireoidismo. O hipotireoidismo é uma síndrome clínica decorrente da produção insuficiente de hormônio tireoidiano, com variada expressão clínica, e que geralmente resulta em diminuição do metabolismo basal. O hipertireoidismo é definido como o excesso na produção do hormônio da tireoide. A diferença entre eles está nos sintomas e na dosagem laboratorial que é diferente nas duas situações.

Os sintomas

Os sintomas do hipotireoidismo, de uma maneira geral, resultam de um metabolismo mais lento e de instalação mais insidiosa, múltipla e particular de cada pessoa, sendo os mais comuns: fadiga, lentidão nos movimentos, intolerância ao frio, constipação intestinal, diminuição da memória, dificuldade de concentração mental, sonolência e aumento leve de peso. Os sintomas do hipertireoidismo são mais relacionados a um quadro hipermetabólico: aumento do batimento cardíaco com palpitações, intolerância ao calor, agitação, tremores de extremidades, diarreia, pele quente e úmida, sudorese excessiva, emagrecimento e, em alguns pacientes, alterações oculares. Para saber em que situação se encontra vai depender de uma avaliação médica, que observa os sintomas e achados clínicos do paciente, associados aos exames laboratoriais para determinar os níveis dos hormônios tireoidianos.

Fatores genéticos e ambientais

A doença tireoidiana, principalmente o hipotireoidismo, tem uma prevalência significativa na população, sendo geralmente encontrada nos adultos, principalmente nas mulheres (tanto o hipertireoidismo quanto o hipotireoidismo). Essas situações estão vinculadas com o grupo das doenças autoimunes, quando o sistema imunológico cria um anticorpo contra algum órgão, no caso aqui, a tireoide, como se fosse um ‘soldado atacando o quartel’. Essa situação depende da cooperação de fatores genéticos e ambientais, que estamos expostos para acontecer. Não existe uma intervenção específica que possa fazer a prevenção desse quadro, lembrando sempre, que os hábitos saudáveis como, por exemplo, se alimentar de forma adequada, praticar exercícios, não fumar e dormir bem ajudam o sistema imunológico a trabalhar bem. 

Acompanhamento periódico

As duas situações possuem tratamento, que deve ser individualizado com o especialista. Em algumas situações, o paciente apresenta remissão do quadro voltando a tireoide funcionar de forma adequada. Mas na maioria dos pacientes, as alterações da tireoide são definitivas, devendo o paciente tomar medicação de forma crônica. O paciente que tem alteração da tireoide, seja hipotireoidismo ou hipertireoidismo, deve ter um acompanhamento médico, tomar sua medicação de forma correta e monitorar seus exames periodicamente para ajuste do tratamento.

Gostou? Compartilhe