Nível de proteína em tumor pode prever propagação do câncer

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Cientistas descobriram uma forma de detectar se um câncer vai se propagar ou reaparecer com o exame de uma determinada proteína no tumor, revelou um estudo publicado recentemente. A descoberta pode dar indícios mais precisos sobre as chances de sobrevivência do que o atual método de classificação das etapas do câncer, que vai de um a quatro anos, segundo os pesquisadores. Se este exame puder ser desenvolvido para utilização em larga escala, para o que ainda faltam anos, ele ajudará os médicos a decidirem quando tratar agressivamente um tumor para evitar uma metástase, que costuma ser mortal.

"Este biomarcador pode ser útil para muitos tipos de câncer", destacou a principal autora do estudo, Y. Peng Loh, da seção de neurobiologia celular do Instituto Nacional Americano de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano (NICHD, na sigla em inglês). "É muito importante saber quando um câncer tem o potencial de se propagar", disse. "Atualmente não há biomarcadores precisos que possam fornecer este tipo de previsões e o prognóstico é determinado de acordo com a etapa em que se encontra o câncer", afirmou. Esta nova variante da proteína carboxipeptidase E (CPE), que no geral está envolvida no processo de hormônios como a insulina, foi descoberta por cientistas dos Institutos de Saúde americanos e da Universidade de Hong Kong. A proteína, CPE-delta N, está presente em altos níveis em células tumorais metastásicas de vários tipos de câncer, entre eles os de fígado, mama e cólon, o suprarrenal e o de pescoço e cabeça.

O estudo, com oito anos de duração, se concentrou em 99 pacientes com câncer de fígado em etapas de um a quatro, os quais tiveram examinadas as células tumorais e o tecido circundante para detectar os níveis de CPE delta-N através da medição de ácido ribonucleico, que ajuda o corpo a produzir a proteína. Quando o nível de CPE delta-N RNA nos tumores foi mais que o dobro daquele nos tecidos circundantes, "o câncer teve grandes possibilidades de reaparecer ou fazer metástase em dois anos", destacou o estudo. "Neste nível ou abaixo deste nível, o câncer teve muito menos possibilidades de reaparecer", indicou. Aplicando este método, os cientistas previram que o câncer faria metástase ou reapareceria em mais de 90% dos casos, e acertaram 76% das vezes que previram que o tumor não voltaria. Em alguns casos, descobriram que a proteína indicava que o câncer voltaria em pacientes na segunda etapa, que normalmente teriam considerado livres de câncer e não receberiam atenção particular após a extirpação do tumor.

Gostou? Compartilhe