O que a circunferência abdominal pode dizer sobre sua saúde

Até então, a referência utilizada era o cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), mas agora há um motivo além do estético para que as gorduras localizadas sejam eliminadas

Por
· 3 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De acordo com novos parâmetros da Medicina, a circunferência abdominal passa a ser o indicativo mais preciso para a avaliação dos riscos de doenças cardiovasculares e metabólicas, segundo vem divulgando a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH). Até então, a referência utilizada era o cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), mas agora há um motivo além do estético para que as gorduras localizadas sejam eliminadas

Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), as medidas ideais da circunferência abdominal indicadas por especialistas são 80 centímetros para mulheres e 94 para os homens. Um estudo realizado pela Federação Mundial de Cardiologia revelou que 66% dos brasileiros se cuidam com base no peso, 6% calculam o IMC e apenas 1% dá mais importância à saliência exacerbada da barriga. Segundo a Federação, 58% dos médicos não reconhecem a importância da medida na prevenção de doenças cardíacas, enquanto 45% afirmaram jamais terem medido a circunferência da cintura dos pacientes, e 59% disseram que nunca foram informados sobre a relação entre a barriga e o coração. O índice de obesidade está estável no país, mas o número de brasileiros acima do peso é cada vez maior. Pesquisa do Ministério da Saúde, Vigitel 2014, alerta que o excesso de peso já atinge 52,5% da população adulta do país. Essa taxa, nove anos atrás, era de 43% - o que representa um crescimento de 23% no período. Na região Sul, o índice de pessoas com sobrepeso está acima da média nacional, 54%. Os quilos a mais na balança são fatores de risco para doenças crônicas, como as do coração, hipertensão e diabetes, que respondem por 72% dos óbitos no Brasil.

Também preocupa a proporção de pessoas com mais de 18 anos com obesidade, 17,9%, embora este percentual não tenha sofrido alteração nos últimos anos. Considerando somente a população da região Sul, a proporção sobe para 19,1%. O índice de obesidade do Brasil está abaixo, por exemplo, da Argentina (20,5%), Paraguai (22,8%) e Chile (25,1%). Entre os homens e as mulheres brasileiros, são eles que registram os maiores percentuais. O índice de excesso de peso na população masculina chega a 56,5% contra 49,1% entre elas, embora não exista uma diferença significativa entre os dois sexos quando o assunto é obesidade. Em relação à idade, os jovens (18 a 24 anos) são os que registram as melhores taxas, com 38% pesando acima do ideal, enquanto as pessoas de 45 a 64 anos ultrapassam 61%.

A pesquisa demonstra ainda que as pessoas com menor escolaridade, 0 a 8 anos de estudo, registram a maior índice, 58,9%, enquanto 45% do grupo que estudou 12 anos ou mais está acima do peso. O impacto da escolaridade é ainda maior entre as mulheres, em que o índice entre os mais escolarizados é ainda menor, 36,1%. As mesmas diferenças se repetem com os dados de obesidade. O índice é maior entre os que estudaram por até 8 anos (22,7%) e menor entre os que estudaram 12 anos ou mais (12,3%).

Além do avanço do excesso de peso e da obesidade, outros indicadores levantados pelo Vigitel também apontam para o maior risco de doenças crônicas entre os brasileiros. Do total de entrevistados em todo o país, 20% disseram ter diagnóstico médico de colesterol alto. Nesse caso, são as mulheres que registram percentual acima da média nacional, de 22,2%, contra 17,6% entre os homens. Em ambos os sexos, a doença se torna mais comum com o avanço da idade e entre as pessoas de menor escolaridade. Entre os que têm mais de 55 anos o índice ultrapassa 35%. O percentual de colesterol alto no Sul do país é 20,6%.

Entrevista

Medicina & Saúde - Qual a relação entre a circunferência abdominal e problemas cardíacos?
Gustavo Hoppen - Sabe-se que quanto maior a circunferência abdominal maiores as probabilidades de doenças. O acúmulo de gordura no abdome e principalmente a gordura intra-abdominal (aquela que se deposita entre as vísceras) causa a liberação de fatores inflamatórios, o que leva a várias alterações metabólicas:
- Aumento do colesterol ruim (LDL);
- Diminuição do colesterol bom (HDL);
- Aumento dos triglicerídeos;
- Resistência à insulina;
- Hiperglicemia;
- Surgimento de Diabete Mellitus tipo 2;
- Hipertensão arterial;
- Síndrome Metabólica;
- Trombose.

Gostou? Compartilhe