Passo Fundo é a segunda cidade gaúcha com mais óbitos por câncer

Estudo foi elaborado pelo Observatório de Oncologia do movimento Todos Juntos Contra o Câncer (TJCC)

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O município de Passo Fundo é a segunda cidade gaúcha a apresentar o câncer como a principal doença motivadora de óbitos entre os moradores, conforme apontou o último levantamento, de 2015, elaborado pelo Observatório de Oncologia em uma parceria estabelecida com o Conselho Federal de Medicina (CFM).


A Capital do Planalto Médio registrou 315 mortes por neoplasias malignas durante o período observado pelo órgão. Atrás apenas de Caxias do Sul, que no ano do levantamento desses dados contabilizava uma média de 669 óbitos por câncer, e sem considerar a capital Porto Alegre, Passo Fundo figura no ranking por, como mencionou a médica oncologista do Hospital de Clínicas (HC), Marina Ractz Bueno, ser um polo estadual de saúde e demandar, além do fator local, atendimentos oncológicos de pacientes originários das demais cidades da região. "No ano passado, aqui no HC, foram diagnosticados 218 novos casos em mulheres e um em um paciente do sexo masculino", aponta referindo-se ao câncer de mama. "Em homens, o câncer de mama não é muito comum. Eles não possuem tanto tecido mamário, mas o diagnóstico precoce é feito através do autoexame", explicou.

 

Uma tendência nacional
Embora a pesquisa anterior se refira a dados gerais sobre a incidência da doença na população, as estimativas mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (INCA) indicam que, assim como em Passo Fundo, o de mama é o tipo de câncer mais frequente entre as mulheres brasileiras. Segundo os índices de localização primária, quando não contabilizados os de pele não melanoma, 29,5% dos diagnósticos são de tumores mamários. A estatística, divulgada pela entidade científica de saúde no ano passado, revelou 5.110 novos diagnóticos da patologia em cidades com mais de 100 mil habitantes. Nos pacientes masculinos, o câncer de próstata é o tumor mais diagnosticado pelas equipes médicas, correspondendo um percentual de 31,7% dos casos.


O Rio Grande do Sul, aliás, é o estado brasileiro com o maior número de cidades onde o câncer é a principal enfermidade letal. Segundo o Observatório de Oncologia, 140 municípios gaúchos têm a doença no topo de causas primárias de óbitos atestados.


Outubro pela saúde das mulheres
Durante o mês de outubro, as vias públicas, centros de saúde e profissionais da área adotarão a coloração rosada em alusão à Campanha Nacional de Prevenção e Combate ao Câncer de Mama. Na manhã desta terça-feira (1), data que marca o início do Outubro Rosa, o Hospital de Clínicas de Passo Fundo (HC) inicia a ação "Rosas da Vida". Com depoimentos de pacientes assistidas pelo Serviço de Oncologia, a campanha se estende ao longo de todas as semanas, no Bella Città Shopping Center, com informativos sobre a importância do autoexame mamário e, aos sábados, com uma equipe multiprofissional disposta para orientações. "O recomendado é iniciar a mamografia a partir dos 50 anos e repeti-los a cada 2. A Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que as mulheres com histórico familiar de câncer de mama comecem a realizar os exames a partir dos 40 anos", enfatiza a médica oncologista do HC, Marina Ractz Bueno.

Gostou? Compartilhe