Por que o ciático dói?

Por
· 6 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Dor lombar que se estende até a perna e que traz junto uma sensação de queimação. É mais ou menos assim que as pessoas descrevem a dor que sentem nestes locais e que está atribuída ao problema no nervo ciático. Conforme a fisioterapeuta Andréa Borges da Silva a dor no nervo ciático segue exatamente esta descrição. “É uma dor caracterizada por uma sensação de queimação, fisgadas, dormência e falta de sensibilidade. É uma dor desesperadora e insuportável para quem sente, ocorrendo no local da lesão ou na região que o nervo percorre. Na Síndrome do Piriforme a dor pode chegar ao joelho ou parte posterior da panturrilha, já que o nervo ciático se divide em Tibial que atravessa a panturrilha e vai até a sola do pé ou na parte lateral do joelho provocado pelo nervo Fibular Comum”, explica.

A dor ciática acomete homens e mulheres em todas as idades, no entanto, é mais comum dos 30 anos aos 40 anos, faixa etária na quais excessos como sobrecarga de exercícios e de peso, são mais frequentes. Com o avanço da idade, é ainda mais fácil ter uma dor ciática, que pode ter como principal causa a hérnia de disco, geralmente decorrente de processo traumático como um mau jeito, “mas as dores também podem ocorrer devido a inflamações no próprio nervo por compressões da musculatura como o espasmo do músculo Piriforme ou trauma direto sobre o nervo, produzido, por exemplo, por uma injeção mal aplicada ou mesmo uma metástase cancerígena”, salienta.
Confira como funciona este tipo de dor e o que pode ser feito para amenizá-la.

Medicina & Saúde – Em que região do corpo fica o nervo ciático?
Andréa Borges da Silva -
O nervo ciático é formado por raízes nervosas que nascem na medula espinhal, região lombar, e se unem na altura da região glútea formando um nervo calibroso, que segue seu trajeto na parte posterior da coxa, emitindo ramificações à semelhança de uma rede elétrica.

M&S – É possível identificar a origem da dor?
ABS -
Pelo tipo de dor e pela zona que ela atinge podemos determinar qual a raiz nervosa lesionada. O nervo ciático leva enervação para toda a musculatura dos membros inferiores, sendo responsável pela sensibilidade, flexibilidade e força da região lombar, nádegas, pernas e pés. Assim, a dor causada por ele atinge uma grande extensão do corpo. Na região do quadril o nervo ciático passa internamente pelo músculo Piriforme e lateralmente pelos músculos Obturador Interno e os Gêmeos Inferior e Superior. Quando o músculo Piriforme encontra-se em espasmo muscular, ele por sua vez comprime o nervo ciático produzindo dor, por isso o nome da patologia de Síndrome do Piriforme.

M&S – Atletas são mais acometidos por este problema?
ABS -
Ciclistas, triatletas e corredores apresentam esse tipo de patologia porque o músculo Piriforme encontra-se encurtado levando a uma compressão do nervo. A posição na bicicleta e o tipo de corrida são alguns dos fatores. Pessoas sedentárias também podem apresentar compressão do nervo ciático pelo músculo Piriforme, quando se encontram muitas horas sentadas, fazem caminhadas sem preparar o músculo com alongamentos antes e depois da atividade, donas de casa ao realizarem suas tarefas como varrer, passar pano no chão, passar roupas, pessoas que permanecem muito tempo em pé sem intercalar o peso sob as pernas, motoristas de ônibus ou até mesmo pessoas que dirigem várias horas podem ter contratura de Piriforme.

M&S – O eu fazer aos primeiros sinais de dor?
ABS -
Quando a dor começa a se manifestar, o ideal é que o indivíduo procure um ortopedista, que através de exames como radiografia, tomografia e ressonância magnética vai se certificar sobre qual é causa dessa dor e, desse modo, indicar o tratamento correto. Pode-se averiguar a compressão neural ciática através do sinal de Laségue, que é um teste clínico realizado pelo fisioterapeuta e pelo médico. Dependendo do grau do Laségue pode–se indicar a presença ou não de uma hérnia extrusa e orientar o paciente a investigar melhor o caso e realizar o tratamento ideal.

M&S – Quais os tratamentos existentes?
ABS -
Na maioria das vezes as dores não atingem o estado crônico e são curáveis com tratamento. Confirmado o diagnóstico, é indicado o tratamento medicamentoso, sempre aliado a exercícios físicos direcionados e terapias que aliviam os sintomas, como a acupuntura. Fortalecer a musculatura de suporte da coluna é fundamental para todos, mas para quem tem tendência ao mal, ela é vital. Controlar o peso, ter boa postura, e não deixar os músculos preguiçosos postergam ou até evitam a manifestação do problema. O tratamento indicado pelo médico baseia-se em medicação para a inflamação desse nervo, analgésicos e também fisioterapia para uma total reabilitação, à qual irá realizar um trabalho para diminuir a inflamação e focar-se no relaxamento e alongamento do Músculo Piriforme, se esse for o motivo das dores geradas pelo nervo ciático.

M&S – Somente medicação sem outros tratamentos resolve o problema?
ABS -
Um tratamento só com medicação anti-inflamatória irá resolver apenas a consequência, que seria a dor. Para resolver a causa (hérnia, protusão discal ou compressão muscular) é preciso um bom trabalho físico com profissional fisioterapeuta competente para que o paciente possa retomar suas atividades de vida diárias e não ter recidivas de crises álgicas.

M&S – A fisioterapia pode ser um tratamento auxiliar?
ABS -
Fisioterapia e atividade física são fundamentais. Um tratamento fisioterapêutico alia técnicas de terapia manual para soltar a musculatura, técnicas de tração e descompressão do nervo ciático e das estruturas posturais da coluna vertebral que promovem a força descompressiva no eixo da coluna, aumentando o espaço intervertebral, alongando os músculos e melhorando a mobilidade dos ligamentos, técnicas de analgesia com eletroterapia, exercícios ativo assistidos de alongamento e fortalecimento muscular e no decorrer das sessões de fisioterapia este paciente deve ser estimulado a iniciar uma atividade física como musculação, pilates, hidroginástica, natação, core 360 (ginástica funcional), desde que realizados com orientação profissional, a soma destas atividades associadas ao tratamento fisioterápico tem bons resultados no controle da dor originada no nervo ciático pois os exercícios produzem o efeito terapêutico desejado sem sobrecarregar as estruturas de risco. Além do paciente iniciar uma atividade física fazendo bem para seu bem estar como um todo, estará evitando o retorno do problema ou das crises.

Outros tratamentos
Além da fisioterapia existem outros tratamentos coadjuvantes que podem minimizar as dores. Conheça alguns.

Massagem Terapêutica

O paciente pode realizar sessões de massagem terapêutica, à qual visa o alívio da dor e relaxamento muscular. Porém, deve procurar profissional habilitado de nível superior com bases em anatomia, fisiologia humana e biomecânica, uma vez que o problema pode agravar-se se quem estiver manipulando a coluna não compreender os mecanismos de ação e os sinais e sintomas das patologias de ordem músculo esqueléticas.

Acupuntura

Utilizada para alívio da dor e relaxamento muscular em pacientes ansiosos que desenvolveram a dor, esta técnica da Medicina Tradicional Chinesa utiliza moxabustão e ventosaterapia além de massagem chinesa nos pontos álgicos liberando endorfinas e desestagnando os meridianos dos músculos envolvidos. Pode ser realizada concomitantemente com a fisioterapia e com as atividades físicas sugeridas.

Dicas da fisioterapeuta

- A dor costuma variar com as mudanças de posição. A posição de decúbito lateral associada à flexão do quadril (posição fetal) costuma aliviar a dor ciática, colocando-se um travesseiro entre os joelhos
- Se a dor iniciou agudamente após esforço físico como limpar a casa, lavar o carro, uma caminhada mais longa, horas em pé ou sentado utilize uma bolsa de água quente por 20 minutos na região da coluna lombar para aliviar a tensão muscular
- Se a dor vem aumentando há vários dias gradualmente, de causa conhecida, você sente formigamento no pé ou pernas ou até mesmo “falceia” o joelho ao caminhar, tem sensação de “choque” na coluna, não use calor, pois pode aumentar o processo inflamatório e não se automedique porque isso irá mascarar a dor e aumentar o problema. Procure um médico
- Quando deitar-se com a barriga para cima em local confortável utilize um apoio alto embaixo dos joelhos que os deixem flexionados, isso diminui a tensão na coluna lombar, nesta posição pode fazer o uso do calor (bolsa quente)
- Quando em crise de dor lombar ou ciática, jamais alongue as pernas ou a coluna, primeiro relaxe e espere a crise passar, após isso sim, se você conhece os alongamentos pode realizá-los sem problemas. Ao alongar-se com dor a fibra muscular retorna como um elástico com força, ao final do alongamento, fazendo com que o músculo contraia ainda mais.

Colaborou
Andréa Borges da Silva, fisioterapeuta especialista em Acupuntura Chinesa

Gostou? Compartilhe