Quebrando tabus

De assunto delicado a tema de palestras. Chegou a hora de falar sobre sexo.

Por
· 4 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Não é de hoje que sexo é um tabu. Aliás, mesmo com toda a informação disponível, o sexo continua sendo um assunto delicado.  Com a intenção de acabar com esse problema e debater a sexualidade de forma aberta e sem preconceitos, Laura Muller se divide entre os atendimentos psicológicos, as participações no programa Altas Horas, as colunas e entrevistas para a mídia em geral, além das palestras que faz por todo o país. 

Uma dessas conversas vai acontecer aqui em Passo Fundo. A sexóloga desembarca na cidade para a terceira edição do Sexaholic, evento voltado para mulheres, que acontece no próximo dia 21, às 20h30min no Salão Nobre do Clube Comercial.

Antecipando o bate-papo, Laura deu uma entrevista para o caderno Mix em que fala, claro, sobre sexo.

Mix - Como começou a sua carreira? Quando você começou a falar sobre sexo?

Laura Muller - Minha primeira formação é em Comunicação Social: eu me formei no início dos anos 90 e fui trabalhar como jornalista na Folha de S.Paulo e Folha da Tarde. Passados alguns anos, surgiu uma vaga de editora de comportamento e sexualidade na revista Claudia, e eu topei o desafio. Quando cheguei na revista, vi o quanto era difícil falar sobre sexo e resolvi me especializar: foi quando fiz a pós-graduação em Educação Sexual. A partir daí, lancei livros e comecei a dar palestras para jovens, adultos e terceira idade, pelo Brasil todo. Ao final das palestras, as pessoas me pediam para atender em consultório, mas para isso é necessário ser médico ou psicólogo. Fui, então, cursar Psicologia. Ou seja, uma coisa puxou a outra. Hoje minha atuação profissional se divide em consultório, palestras, livros e ações variadas com a mídia, como o programa Altas Horas, do qual participo todo sábado esclarecendo dúvidas da plateia.

Mix - O mundo hoje é muito conectado, as pessoas têm informação de fácil acesso, mas ainda existe a questão: o sexo continua sendo um tabu?

Laura Muller - Continua sim. Ainda é muito difícil falar sobre o tema na escola, em casa, entre o casal, na mídia e na sociedade como um todo. Pensando nesse cenário, lanço em junho um novo livro: “Educação Sexual em 8 Lições”, sobre como orientar da infância à adolescência, um guia para professores e pais, que escrevi após inúmeras solicitações deles sobre como lidar com esse tema tão tabu na nossa cultura.

Mix - Em relação às mulheres, quais são as principais preocupações ou dúvidas delas quando o assunto é sexo?

Laura Muller - As mulheres da atualidade estão bastante preocupadas em como conseguir mais prazer e chegar ao orgasmo. As que são mães se preocupam também em como fazer uma educação adequada aos filhos.

 

Mix – Em relação à educação sexual, qual a melhor época para a criança saber sobre sexo?

Laura Muller - Desde que surgem as primeiras perguntas na infância. Claro que para uma criança pequena não será necessário orientar com tantos detalhes como devemos fazer com a proximidade da pré-adolescência. Mas as perguntas devem ser respondidas da forma mais clara possível, em linguagem que a criança consiga entender no seu processo de desenvolvimento. Vale lembrar: a educação sexual não estimula uma sexualidade precoce, como muitos podem pensar. Pelo contrário: ajudará o futuro jovem a fazer escolhas mais amadurecidas, responsáveis, saudáveis e prazerosas quando chegar sua fase de iniciação sexual. 

Mix - Você tem uma relação muito estreita com os jovens, principalmente pelo programa. Quais são as maiores preocupações dos jovens hoje?

Laura Muller - Eles querem saber sobre três grandes eixos que costumo trabalhar bastante em palestras em escolas e outros espaços para eventos. São eles: 1) gravidez fora de hora; 2) doenças sexualmente transmissíveis; e 3) a prática do sexo em si, o que inclui o afeto, o prazer e a diversidade.

Mix - Qual a importância da mídia, dos meios de comunicação para quebrar tabus e ajudar a promover o sexo seguro e saudável?

Laura Muller - A mídia como um todo é um veículo poderoso de informação e pode impactar milhões de pessoas de forma clara e direta. Isso é bastante positivo para a educação sexual. Acredito muito no poder transformador da mídia, tanto que faço ações não só por meio da TV, mas também escrevendo para sites, como o meu www.lauramuller.com.br e outros, além de redes sociais, jornais e revistas, bem como por meio de entrevistas variadas a esses meios e também à rádio.

Mix - Muitas mulheres ainda parecem ter muito receio em falar do assunto e até mesmo de se entregar em uma relação. Que dicas você dá para essas mulheres que buscam um algo a mais no relacionamento, mas muitas vezes têm medo de expor suas próprias vontades?

Laura Muller - Respeitar os próprios limites é a maior dica. A gente só deve ir na cama até onde aquela prática não nos fere física nem emocionalmente, e ao mesmo tempo não fere quem está ao lado. Isso é o básico. Outra dica é se abrir a dar novos e mais positivos significados ao sexo, o que pode começar a ser feito com a busca de informação, em entrevistas como esta aqui, em palestras como a que teremos na cidade, em livros e em todo o lugar onde for possível encontrar conteúdos de qualidade. Isso pode ser transformador para a vida como um todo.

Gostou? Compartilhe