Recém-nascidos e bebês: atenção aos cuidados de saúde

Medicina & Saúde - Especialmente para pais de primeira viagem, a chegada do filho e os primeiros meses geram diversas dúvidas.

Por
· 4 min de leitura
Cólicas costumam aparecer a partir da segunda semana de vida do bebê

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

São nove meses de espera, preparação do quarto, das roupinhas, pilhas e pilhas de fraldas descartáveis compradas, lembrancinhas para os visitantes... Mas, quando os pais chegam com o bebê em casa, são tomados por dúvidas, dúvidas e dúvidas. Principalmente quando se trata do primeiro filho, é comum que nos primeiros tempos os pais não saibam diferenciar o choro de fome com o choro de cólica. Ou saber se a febre é motivo para correr para o pediatra ou pode ser cuidada em casa. Todas as questões são comuns, por isso, os pais não precisam, e nem podem, ficar apavorados.
“Existem várias doenças que podem ocorrer nos recém-nascidos, mas as principais, que ocorrem nos primeiros dias de vida são: icterícia neonatal (amarelão), dermatites em face e região das fraldas (problemas de pele), doenças respiratórias, doenças congênitas (presentes desde a gestação), doenças cromossômicas (síndromes) e doenças metabólicas (algumas detectadas no teste do pezinho)”, explica a médica pediatra Vanessa Castelli Canal.

Como agir em momentos de cólicas no bebê?
Uma das principais preocupações dos pais nos primeiros dias com o bebê em casa são as cólicas. Comuns, mas que podem deixar pais e mães quase doidos, a cólica costuma aparecer por volta de duas a três semanas após o nascimento do bebê. “Caracteriza-se por choro intenso e difícil de acalmar, o bebê pode encolher as perninhas e se arquear para trás, soltar gases e ficar com a face vermelha. Ocorre em bebês saudáveis e costuma acontecer por mais de três horas seguidas, mais de três vezes por semana por ao menos três semanas. O pico acontece aproximadamente nas seis semanas de vida”, destaca a médica.
Segundo Vanessa, é importante sempre lembrar que os bebês choram por outros motivos, como fome, fralda suja, quando estão assustados ou cansados. “Não é doença e costuma melhorar bastante entre três e quatro meses. As causas não são comprovadas mas a hipótese mais aceita é de que se trata de uma imaturidade do sistema digestivo”, salienta.

Para evitar as cólicas ou acalmá-las temos algumas medidas:
* Nas mães que amamentam no peito, evitar alimentos/líquidos que contenham estimulantes (como café preto, chá preto, chimarrão/mate, refrigerante, chocolate)
* Segurar o bebê no colo de barriga para baixo e enrolar em uma manta bem apertadinho
* Mantê-lo em ambiente calmo, sem muitos estímulos (barulho e luz)
* Colocar o bebê arrotar após as mamadas
* Colocar um pano aquecido na barriga (com muito cuidado para evitar queimaduras).


Entrevista

Medicina & Saúde – Quando a febre deve ser preocupante e motivo de procurar uma emergência médica?
Vanessa Castelli Canal – Primeiro é bom estabelecer o que é febre, ou seja, febre é a temperatura corporal acima de 37,8°C aferida com termômetro. Em segundo lugar, observar se a criança não está com excesso de roupas (causa muito frequente de febre quando os pais procuram as emergências). A febre é uma situação preocupante quando a criança não consegue desenvolver suas atividades normalmente e fica prostrada pelos cantos. Isoladamente a febre não é algo ruim, e a temperatura mais alta não é indicativo de gravidade. Se a febre vier acompanhada de sintomas como vômitos, diarreia, tosse ou manchas na pele, a ida à emergência é necessária, assim como se a criança ficar prostrada (abatida) mesmo quando os picos de febre passarem. Se não for o caso, dá para esperar 48h e procurar o pediatra no seu consultório ou ambulatório. Uma exceção importante são os recém-nascidos até os 60 dias de vida, quando em qualquer ocasião de febre, o médico deverá ser consultado.

Medicina & Saúde – Em que fase da vida o bebê pode sofrer de amarelão. Como os pais devem proceder?
Vanessa Castelli Canal – O amarelão é o que nós chamamos de icterícia, e quando ocorre no recém-nascido, que é o mais comum, chamamos de icterícia neonatal. É uma manifestação que pode ser fisiológica (normal) ou decorrente de patologia (doença) em consequência do aumento das bilirrubinas na corrente sanguínea, sendo sua manifestação clínica a icterícia (ou amarelão). Ocorre geralmente na primeira semana de vida do bebê. O pediatra sempre deve ser procurado para uma boa avaliação e se necessário coleta de exames laboratoriais, que dependendo da causa e dos resultados pode ser necessário fototerapia (banho de luz) e em casos mais raros exsanguineotransfusão (troca de sangue, procedimento realizado em UTI). Várias são as causas, desde o leite materno, incompatibilidade sanguínea, prematuridade, atraso na liberação do mecônio (primeiras fezes) e infecções. Por isso a necessidade de investigação.

Medicina & Saúde – Como identificar infecções na garganta ou otite em bebês?
Vanessa Castelli Canal – Recém-nascidos raramente têm infecções de garganta e/ou ouvidos. A amigdalite (infecção comum na garganta), ocorre geralmente após os 10 meses de vida, e pode ser causada por vírus ou bactérias. Os sintomas são dor ao engolir, febre, inchaço ao lado do pescoço e abaixo da mandíbula, dor de cabeça, calafrios, dor muscular e mau hálito. A otite média aguda (infecção comum no ouvido) também pode ser causada por vírus ou bactérias e é mais comum ocorrer após os seis meses de vida. Os sintomas mais comuns são febre, irritabilidade, choro intenso e contínuo, secreção nasal e falta de apetite.

Medicina & Saúde – Qual a importância das visitas regulares ao pediatra?
Vanessa Castelli Canal – O acompanhamento pediátrico regular, também conhecido como Puericultura, visa principalmente o bem estar da criança, provendo saúde e não somente tratando doenças. As orientações começam logo após o nascimento (amamentação, teste do pezinho, teste da orelhinha, teste do olhinho, teste do coraçãozinho, cuidados com o recém-nascido) e continuam após nas revisões mensais com orientações quanto às vacinas, higiene, desenvolvimento neuropsicomotor, curvas de crescimento, alimentação, exames periódicos, relação familiar e social.

 

Gostou? Compartilhe