O que causa o bruxismo e disfunções na ATM?

Dor de cabeça ao acordar ou nos músculos da face? Zumbido no ouvido o dia todo? Cuidado, esses são alguns sinais de alerta que podem indicar problemas na articulação da mandíbula (ATM) ou até mesmo bruxismo

Por
· 2 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O termo bruxismo é utilizado para designar o ato parafuncional, involuntário, rítmico ou espasmódico, de ranger ou apertar os dentes. Segundo o professor da Escola de Odontologia da IMED, Ataís Bacchi, estes episódios são mais comuns durante o sono, mas também podem ocorrer no período diurno. “Termos específicos para cada período foram criados pela Academia Americana de Desordens do Sono designando-os como bruxismo do sono ou da vigília. A origem do processo tem sido apontada como multifatorial, com grande influência de fatores psicológicos e genéticos. Algumas dessas condições desencadeantes sugeridas tem sido a agressão reprimida, tensão emocional, medo, raiva e frustração. Ainda, demais fatores têm sido apontados como de alto risco para o desencadeamento de episódios de bruxismo, tal qual o uso de tabaco, álcool, cafeína, certos medicamentos e drogas ilícitas”.

O diagnóstico do bruxismo noturno tem base no exame clínico onde desgastes dentários acentuados são observados, dor muscular relatada pelo paciente pela manhã, e pelo padrão ouro de avaliação que é a polissonografia. “Recentemente, exames de eletromiografia também tem sido aplicado com resultados promissores para o diagnóstico. Para o bruxismo da vigília, muitas vezes o paciente é capaz de identificá-lo após ter sido informado e instruído a prestar a atenção no hábito”, destaca Ataís.

Os principais efeitos relacionados ao bruxismo têm sido o desgaste dentário e como um possível fator etiológico da disfunção temporomandibular, junto com trauma, estresse emocional, estímulos de dor profunda e fatores oclusais. Entretanto, a literatura é altamente controversa a respeito da influência direta do bruxismo sobre a articulação temporomandibular e até que ponto este processo de microtraumas seria capaz de causar danos articulares.

Não há um tratamento específico que promova a eliminação do bruxismo, principalmente noturno. O docente explica que a eliminação dos fatores predisponentes relacionados acima bem como técnicas de relaxamento e psicoterapia podem ser utilizadas. “Existem tratamentos com base na modificação de comportamento como terapias de reversão de hábito e alguns métodos de feedback, como a utilização de adesivos ou mesmo de aplicativos de celulares para a redução do bruxismo diurno. A ausência de um tratamento definitivo para a eliminação do bruxismo levou ao desenvolvimento de estratégias para reduzir seus efeitos deletérios”.

O método mais comum para prevenir efeitos prejudiciais do bruxismo é o uso de aparelhos interoclusais. Os mesmos previnem o desgaste das estruturas dentais. Apesar disso, sua eficácia em reduzir a atividade muscular noturna e a dor orofacial é ainda indefinida. Como efeitos positivos, o aparelho é responsável ainda por aumentar o espaço intra-articular reduzindo a pressão interna na articulação, estabilização da mordida e por promover maior relaxamento de alguns grupos musculares. Atualmente a aplicação de toxina butolínica, principalmente nos músculos masseteres e temporais, também está sendo sugerida para terapia de bruxismo, porém este método ainda levanta algumas duvidas e questões no meio científico quanto ao tratamento da doença.

 

Gostou? Compartilhe