Dermatite atópica exige atenção constante

A doença é crônica, mas pode ser bem controlada

Por
· 2 min de leitura
Ana Dengo é médica dermatologista em Passo Fundo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Pele seca, coceira, lesões avermelhadas ou eczemas podem ser indicativos de uma dermatite atópica. É uma doença crônica, mas, com uma série de cuidados, é plenamente controlável. A Dra. Ana Dengo explica que a Dermatite Atópica (DA), também chamada de Eczema Atópico, é uma doença crônica recidivante que acomete mais frequentemente em recém- nascidos e crianças, porém pode aparecer com qualquer idade, e em muitos casos, pode permanecer até a vida adulta. Quando se fala que é uma doença crônica e recidivante, significa que não apresenta cura, mas, sim, o controle da doença. Por isso é necessário que o paciente com DA, independente de ter ou não lesões na pele, mantenha cuidados adequados de hidratação a fim de evitar períodos de piora da doença.

Causas e sintomas

A médica dermatologista explica que ainda não há uma única causa para a DA, mas a suscetibilidade genética é bem estabelecida. Hoje se sabe que 70 % dos pacientes com DA apresentam antecedentes familiares de alergia (asma, renite alérgica ou mesmo dermatite atópica), e que quando um dos pais apresenta dermatite atópica há mais de 50% de chance de a criança também apresentar a doença. Nos pacientes com DA há uma diminuição de algumas proteínas específicas da pele, permitindo uma perda maior de água. Isso deixa a pele mais ressecada e mais suscetível à absorção de alérgenos do meio ambiente, deixando-a mais vulnerável a infecções de pele. Os principais sintomas da dermatite atópica são pele seca e coceira. Esse é o ciclo vicioso da DA: pele seca que gera coceira, o ato de coçar irrita ainda mais a pele deixando-a mais suscetível a alérgenos e surge um cenário favorável a infecções de pele.

Desenvolvimento e tratamento

As lesões de pele da dermatite atópica podem aparecer em qualquer local do corpo, mas as áreas mais envolvidas são a região poplítea (atrás dos joelhos) e antecubital (atrás dos cotovelos), lateral do pescoço, punhos e tornozelos. Em crianças pequenas, até dois anos, são muito comuns as lesões no rosto. Geralmente apresentam-se inicialmente como placas avermelhadas, que depois com o ato da coçadura, tornam-se mais ásperas (liquenificadas) e escuras. 

Para o tratamento bem sucedido da Dermatite Atópica é necessária uma abordagem sistemática e prolongada, com o médico dermatologista, a fim de incorporar medidas diárias de hidratação da pele, terapia com medicamentos anti-histamínicos para controle da coceira, uso de corticóides tópicos em períodos de crise, identificação de fatores desencadeantes como irritantes, alérgenos e agentes infecciosos, e até mesmo a identificação de estressores emocionais, que também podem agravar o quadro. Há pacientes não respondedores a apenas a terapia tópica e comportamental, nesses casos pode-se também lançar mão de imunomoduladores.

Cuidados com a Dermatite Atópica

1 - Banhos mornos e de no máximo 3 a 5 minutos.

2 - Optar por sabonetes mais gordurosos e neutros.

3 - Não usar sabonetes antissépticos e antibactericidas.

4 - Não usar esponjas e buchas vegetais.

5 - Abusar do uso de hidratantes e emolientes corporais adequados mais de uma vez ao dia, de preferência sem perfume e com orientação médica.

6 - Usar hidratantes labiais para evitar rachaduras nos lábios.

7 - Dar preferência por roupas de algodão (evitar tecidos sintéticos direto no corpo).

8 - Sempre que apresentar coceira, usar creme hidratante ao invés de coçar.

Gostou? Compartilhe