Técnica inovadora de implante de marca-passo

A estimulação cardíaca Hissiana foi utilizada com sucesso no Serviço de Hemodinâmica do HC

Por
· 1 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A aplicação de uma técnica inovadora de implante de marca-passos é utilizada no Serviço de Hemodinâmica em Cardiologia Intervencionista do Hospital de Clínicas (HC) de Passo Fundo. O implante de marcapasso Hissiano foi realizado recentemente pelo médico cardiologista e eletrofisiologista do HC, Dr. Edimar Dal Agnol de Lima. Esta técnica inovadora apresenta benefícios em relação ao método tradicional, já que o marca-passo hissiano possibilita que a estimulação elétrica cardíaca ocorra sob um padrão fisiológico, ou seja, preservando a condução elétrica cardíaca natural. Marcapassos tradicionais são potencialmente causadores de insuficiência cardíaca, pois causam uma deformação da contração cardíaca natural, pois desprezam a condução elétrica natural do coração. Essa deformação causada pelos marcapassos tradicionais é chamada de “dissincromia cardíaca”. Nesse inovador implante é possível corrigir defeitos de condução elétrica do coração sem alterar a morfologia elétrica natural. O especialista explica como esta técnica é utilizada: “Este é um método inovador de implante de marca-passos, utilizado quando há bloqueio intracardíaco atrioventricular, mas diferente dos marcapassos convencionais, a correção é realizada diretamente onde há o bloqueio, diretamente no sistema de condução elétrico cardíaco, no chamado “feixe de His”, assim se preserva a fisiologia cardíaca, pois utiliza os próprios feixes elétricos cardíacos do paciente e, com isso, mantém a sincronia e fisiologia dos batimentos cardíacos ventriculares”, esclarece Dr. Edimar.

 

Comparativo
Na avaliação eletrocardiográfica dos pacientes com marcapasso, “o eletrocardiograma de um paciente portador de marcapasso tradicional apresenta-se alterado, o chamado ‘QRS largo’, que é um sinal da dissincronia, mas quando utilizamos a técnica de marca-passo hissiano, o eletrocardiograma não apresenta-se alterado,  o ‘QRS é estreito’, praticamente semelhante a de um indivíduo sem marcapasso, demonstrando que a condução cardíaca esta preservada, normal e sincrônica”, evidencia Edimar Lima. A estimulação cardíaca hissiana é considerada tecnicamente mais complexa do que a tradicional, mas apresenta resultados promissores e clinicamente seguros de acordo com as recentes pesquisas na área de eletrofisiologia.

 

Risco progressivo
O método convencional, que utiliza a estimulação ventricular direita, apresenta um risco progressivo de deterioração cardíaca que compromete a qualidade e sobrevida dos pacientes. “Quando implantamos um marca-passo convencional, que causa a dissincronia, com o passar do tempo os pacientes podem evoluir para a insuficiência cardíaca, que em termos gerais seria a perda da força de contração cardíaca, e também apresentar arritmias. Com a utilização do marca-passo hissiano, se preserva a condução natural do paciente, sem dissincronia, sem deformação, e isso evita que o paciente evolua para a temida insuficiência cardíaca.” esclarece o especialista.

Gostou? Compartilhe