Tratamento diferenciado para gagueira na terceira idade

Medicina & Saúde - a gagueira consiste na dificuldade do cérebro de gerar comandos para sinalizar o término de um som ou uma sílaba no tempo previsto

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

De acordo com o Instituto Brasileiro de Fluência (IBF), a incidência da gagueira é de 5%, isto é, cerca de 10 milhões de brasileiros estão passando por um período de gagueira neste momento. A prevalência da gagueira é de 1%, ou seja, em média 2 milhões de brasileiros gaguejam há muitos anos de forma crônica, entre idosos, adultos e crianças.

Ainda de acordo com o IBF, a gagueira consiste na dificuldade do cérebro de gerar comandos para sinalizar o término de um som ou uma sílaba no tempo previsto e se manifesta externamente como bloqueios, prolongamentos e/ou repetições de sons e sílabas. Dessa forma, a pessoa consegue iniciar a palavra, mas fica "presa" em algum som ou sílaba até que o cérebro consiga gerar o comando necessário para dar prosseguimento ao restante da palavra.

“A gagueira é um distúrbio em que acontecem quebras ou rupturas involuntárias no fluxo da fala. Ela é caracterizada por repetições de sons, sílabas, palavras, prolongamentos, bloqueios e pausas. A pessoa que gagueja sabe exatamente o que quer dizer, mas tem dificuldade na automatização e na temporalização dos movimentos da fala”, afirma Sabrina Möller Martinho, fonoaudióloga.

É muito importante que a pessoa idosa com gagueira não se intimide e deixe de expressar o que pensa e sente. “Alguns artifícios auxiliam a diminuir o impacto da gagueira, como usar interjeições, substituir palavras que geralmente tenha dificuldade, falar de forma mais pausada, principalmente, levar a sério o tratamento”, recomenda a especialista. Vale destacar que comparecer às sessões de fonoterapia é imprescindível para o progresso e melhora do paciente.

Gostou? Compartilhe