A memória armazena informações, conhecimentos e pensamentos

O esquecimento é uma importante manifestação de prejuízo e requer auxílio profissional

Por
· 2 min de leitura
A neurologista Bruna Constantino Rech atua no Hospital de Clínicas de Passo FundoA neurologista Bruna Constantino Rech atua no Hospital de Clínicas de Passo Fundo
A neurologista Bruna Constantino Rech atua no Hospital de Clínicas de Passo Fundo

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A memória é uma das áreas da cognição capaz de adquirir, armazenar e relembrar informações sobre vivências, conhecimentos e pensamentos experimentados. De acordo com a neurologista Bruna Constantino Rech, pode-se classificar a memória de duas maneiras: a memória de procedimento (“saber como”) e a memória declarativa (“saber que”). A memória de procedimento armazena dados relacionados à aquisição de habilidades mediante a repetição de uma atividade que segue sempre o mesmo padrão. Nela se incluem todas as habilidades motoras, sensitivas e intelectuais. A médica, que atua no Hospital de Clínicas de Passo Fundo, explica sobre os cuidados em relação à memória.

Como funcionam as memórias de procedimento e declarativa?

Com memória de procedimento, o ser humano é capaz de executar tarefas, por vezes complexas, com o pensamento voltado para algo completamente diferente, por exemplo, o ato de dirigir. Já a memória declarativa armazena e evoca informação de um acontecimento ou experiências, incluindo memória de fatos vivenciados pela pessoa ou informações adquiridas pela transmissão do saber de forma escrita, visual e sonora. Se analisar a memória quanto ao tempo de armazenamento das informações, pode-se classificá-la em memória de trabalho (retém essa informação por alguns segundos), memória de curto prazo (retém por algumas horas até que sejam gravados de forma definitiva) e memória de longo prazo (retém de forma definitiva a informação).

O esquecimento pode ser o indicativo de alguma doença?  

Sim, e se a pessoa e seus familiares perceberem que há uma influência desse esquecimento na rotina e afazeres diários do indivíduo, orienta-se procurar um atendimento médico para avaliação do quadro.  

 Quais os primeiros sintomas?

A memória é um complexo componente da cognição e seu prejuízo pode manifestar-se de várias maneiras dependendo da causa do esquecimento. No geral, observar o contexto em conversar e lembrança de fatos ocorridos, o desempenho em executar atividades rotineiras para a pessoa, a lembrança geográfica em ambientes familiarizados, reconhecimento de familiares e amigos, entre outros.

A falta de memória pode ser causada por alguma doença?

A principal questão, no que se refere ao esquecimento, é determinar sua causa, pois existe uma grande diversidade de doenças que podem culminar com prejuízo na memória. Dentre as principais estão: medicamentos (exemplo: benzodiazepínicos), abuso de drogas ilícitas, doenças psiquiátricas (exemplo: depressão, transtorno do humor), doença de Alzheimer e outras síndromes demências, distúrbios metabólicos (exemplo: hipotireoidismo, deficiência de vitamina B12), infecção e trauma do sistema nervoso central. 

Existe o check-up da memória?

Não existe um check-up específico para a memória em um indivíduo sem sintomas, pois não há um exame que detecte de forma preventiva doenças demenciais. Mas vale ressaltar a importância do controle de fatores de risco para dano neurológico que pode influenciar no surgimento dessas doenças, como tabagismo, etilismo, hipertensão arterial, diabetes mellitus, sedentarismo, carência nutricional e vitamínica. Assim, de forma preventiva, a pessoa deve se manter ativa física e mentalmente, ter uma boa alimentação e hidratação, e ter controladas suas comorbidades.

Existem exercícios para manter a memória em boas condições?

Não existe indicação de alguma atividade específica, o objetivo é o indivíduo se manter ativo na sua rotina, tanto física como mentalmente, e vale ressaltar que essa proteção só é válida se for mantida durante anos. Sabe-se que a escolaridade do indivíduo está diretamente relacionada com o risco de dano na memória, assim o desenvolvimento intelectual como prevenção tem que ser um hábito de anos, iniciado desde a adolescência ou adulto jovem, por exemplo a leitura.


Gostou? Compartilhe