A dieta low carb está em alta

Você pode comer carboidratos, mas não pode abusar nas quantidades

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Através da alimentação, colocamos ordem no corpo e algumas doenças exigem dietas especiais. Mas quando alguém fala em dieta logo associamos aos cuidados para emagrecer. Dentre tantas propostas conhecidas, surge a low cab, que é baseada em redução do consumo e não na proibição. Mas, como todas as dietas, também exige atenção para não se tornar prejudicial à saúde. A nutricionista Claudia Nunes Pimentel, que atua no Hospital da Cidade de Passo Fundo, esclarece sobre a low carb, uma dieta que está em evidência.

 

Baixo carboidrato
Atualmente, na dieta ocidental, a maioria das calorias derivadas da nossa alimentação vem dos carboidratos. A dieta low carb ou baixo carboidrato propõe a restrição das quantidades de carboidratos como: açúcares, farináceos (bolos, massas e pães), tubérculos (batatas, aipim) e milho, de forma que esse macronutriente não seja o de maior quantidade na alimentação. A orientação em uma alimentação convencional é que 50 a 55% do que é ingerido no dia seja composta desse nutriente, nos métodos low carb, o carboidrato pode compor entre 45% a 5% do que é consumido em um dia. São definidas como ingestão inferior de 200g de carboidrato por dia, usualmente entre 50 e 150g por dia ou abaixo de 40% da energia advinda dos hidratos de carbono. É importante ressaltar que em dietas com valores abaixo de 40% considera-se uma redução extrema de carboidratos na alimentação, esse tipo de restrição até proporciona redução de peso, porém ele não será de forma saudável podendo acarretar uma série de consequências à saúde.

 

Fibras e proteínas
Os alimentos indicados nessa dieta são: alimentos integrais que são ricos em fibras e de baixo índice glicêmico como: arroz integral, batata doce, as verduras e legumes, as proteínas: como carnes magras, frango, peixes, ovos, leite e derivados, soja e quinoa, frutas, dar preferência para seu consumo ser sempre combinado com uma fonte de fibra como linhaça ou uma semente como a chia ou gergelim, por exemplo. Também as frutas que podem ser consumidas com o bagaço como a bergamota ou laranja. As fontes de gorduras como azeite extra virgem, óleo de coco, farinha de castanha, oleaginosas (nozes, amêndoas, avelãs, castanha-do-pará, amendoim, macadâmia), gorduras consideradas mais saudáveis.

 

Plano alimentar
Estudos têm demonstrado que dietas com baixo teor de carboidrato (valores moderados em torno de 40%) promovem uma melhoria do controle da glicemia, diabetes tipo 2, redução e perda de peso em indivíduos com obesidade e sobrepeso, melhora do perfil lipídico, aumento significativo do HDL (bom colesterol), diminuição dos triglicerídeos, além de melhoria de alguns parâmetros de risco cardiovasculares. Sempre é importante levar em consideração que cada pessoa reage de maneira diferente a um novo plano alimentar. Nosso organismo possui características individuais, alguns toleram muito bem a restrição ao carboidrato, enquanto outros nem tanto, a melhor recomendação é a restrição com moderação e a realização das substituições alimentares adequadas para uma promoção saudável de redução de peso e manutenção da saúde.

Gostou? Compartilhe