A eficiência dos fixadores externos

Passo Fundo é referência médica na utilização de aparelhos mais eficientes para o alongamento ósseo

Por
· 3 min de leitura
Ortopedista Everton de LimaOrtopedista Everton de Lima
Ortopedista Everton de Lima

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma cirurgia pode gerar ansiedade. Ainda mais quando no procedimento são utilizados materiais que o paciente pode não estar familiarizado, como é o caso dos fixadores externos. Referência neste tipo de tratamento, a clínica IOT recebe diariamente pacientes vindos de vários pontos do sul do Brasil. Atualmente dois ortopedistas da clínica trabalham com a especialidade de fixadores externos: Dr. Everton de Lima e Dr. Jung Ho Kim com foco na ortopedia pediátrica. Um tratamento que exige uma associação tecnológica e cuidados especiais relativos ao uso do aparelho. O especialista Everton de Lima esclarece sobre aspectos importantes relacionados ao uso de fixadores externos.

 

O que são os fixadores externos?

Fixadores externos são aparelhos utilizados na parte externa dos membros (braço, antebraço, coxa, perna) para promover a fixação dos ossos durante o tratamento ortopédico. Estes aparelhos são presos aos ossos por fios transósseos ou pinos rosqueáveis.

 

São utilizados para qual finalidade?

São aplicados nos membros superiores (braço, antebraço e punho) e inferiores (quadril, coxa, joelho, perna e pé). Tem diversas finalidades: tratamento de fraturas graves e multifragmentar, correção de deformidades nos membros, correção de fraturas mal consolidadas, tratamento de infecção óssea e tumores, alongamento ósseo, bem como, pseudoartroses (fraturas que não consolidam).

 

Quando o uso de fixadores externos é necessário?

A indicação mais frequente dos fixadores é para o tratamento inicial de fraturas em pacientes politraumatizados – chamamos isto de "controle de danos". Também são usados no caso de falha ao tratamento da fratura com placa, parafusos e hastes. A correção de deformidades, sejam elas causadas por fraturas ou decorrentes do desenvolvimento, é corrigida preferencialmente com a utilização de fixadores. Mas, o principal emprego da fixação externa é o alongamento ósseo, em que o médico ortopedista emprega o fixador para obter um crescimento ósseo gradual entre 0,5 a 1 mm por dia.

 

Como são colocados?

Os fixadores externos são colocados através de um procedimento cirúrgico, com o paciente devidamente anestesiado. Este tipo de cirurgia deve ser cuidadosamente planejada pela equipe médica, pois todos os passos cirúrgicos, bem como os detalhes da montagem do aparelho são estudados previamente.

 

Quanto tempo leva, em média, a calcificação com o fixador e a haste?

O tempo de consolidação óssea depende de algumas variáveis, como gravidade da fratura ou da deformidade, extensão do osso a ser alongado e saúde do paciente. O tempo de tratamento pode variar entre seis meses e um ano, podendo, em alguns casos, consolidar antes ou algum tempo depois deste período.

 

Qual a eficiência dos fixadores?

Os fixadores estão entre os materiais cirúrgicos mais eficientes com relação ao resultado do tratamento ao paciente, pois possuem eficiência baseada na perfeita estabilização da fratura e na mínima agressão aos tecidos moles ao redor do osso danificado. Tais características são fundamentais para a cicatrização óssea.

 

Existem vários modelos de fixadores?

Os fixadores podem ser monolaterais, circulares ou híbridos. Os monolaterais, como o próprio nome diz, são fixadores menores e que são posicionados apenas em uma das laterais do membro. Os fixadores circulares ocupam todos os lados do membro, envolvendo-o totalmente – são popularmente chamados de "gaiolas". Os fixadores híbridos são uma união entre fixadores monolaterais e circulares, fornecendo os benefícios dos dois tipos de montagem.

 

Quais cuidados pós-cirúrgicos?

O paciente deve cuidar da limpeza do aparelho através da realização de curativos frequentes nos primeiros dias após a cirurgia. Outro cuidado importante se refere aos ajustes do aparelho, pois o tratamento em casa é feito pelo paciente e seus familiares, supervisionado pelo médico nas consultas de revisão. O paciente deve fazer curativos e estimular o apoio parcial, auxiliado por muletas, o mais precoce possível. As revisões médicas são periódicas.

 

Como ocorre o retorno do paciente às atividades normais?

As atividades devem ser retomadas assim que o paciente estiver se sentindo confortável com o uso do aparelho e ausente de dor. Como o tratamento é longo, é fundamental que a vida volte ao normal assim que possível.

 

Podem ocorrer complicações durante a utilização dos aparelhos?

O que ocorre com muita frequência é a infecção no trajeto dos pinos e fios ósseos. Porém, ela pode ser prevenida com a limpeza destes locais conforme orientação médica. Ocasionalmente são empregados uso de antibióticos orais ou tópicos no tratamento destas infecções.



E o resultado após o uso dos fixadores?

O objetivo de todo tratamento é a melhora do paciente. Nos tratamentos com fixadores o objetivo é alcançando quando os membros se encontram alinhados, com o comprimento semelhante ao contralateral e capacidade de permitir que o paciente utilize-o normalmente.

Gostou? Compartilhe