A Era dos nutracêuticos, alimentos funcionais e suplementos

Por
· 4 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Por Kali Nardino
Com a evolução das sociedades e o avanço das tecnologias, a informação está cada vez mais acessível, principalmente a relacionada à saúde e à prevenção de doenças. De outro lado, o tempo para as refeições saudáveis tem diminuído bastante. Para suprir essas necessidades, os consumidores recorrem aos nutracêuticos, alimentos funcionais e suplementos alimentares. Mas qual é a diferença entre estes produtos? Quando e como devemos utilizá-los?
Os nutracêuticos são alimentos ou partes deles que proporcionam bem-estar e qualidade de vida. Tais alimentos podem abranger nutrientes isolados, suplementos dietéticos em cápsulas e dietas até produtos beneficamente projetados, herbais e alimentos processados. Vários nutracêuticos podem ser produzidos com o uso de microrganismos chamados GRAS (Generally Recognized as Safe) e classificados genericamente como fibras dietéticas, ácidos graxos poliinsaturados, proteínas, peptídios, aminoácidos (ou cetoácidos), minerais, vitaminas antioxidantes e outros antioxidantes (glutationa, selênio).
Nutracêutico significa a junção das palavras nutrient (nutriente) e pharmaceutics, ou seja, a forma de apresentação similar aos medicamentos, como cápsulas, cápsulas gelatinosas ou até mesmo soluções prontas para o consumo. Eles incorporam frequentemente extratos produzidos a partir de alimentos, de substâncias sintetizadas ou de vegetais, como a cafeína extraída do guaraná.
Já os alimentos funcionais são idênticos aos convencionais consumidos numa dieta normal, e além de satisfazerem as funções nutritivas básicas, procura compensar e corrigir problemas de saúde crônicos, como hipertensão. O termo “alimentos funcionais” surgiu no Japão em meados dos anos 1980 e se refere aos alimentos processados com ingredientes que auxiliam funções específicas do corpo, sendo definidos como “Alimentos para uso específico de saúde” (Foods for Specified Health Use - FOSHU) em 1991.
Para o Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentos (MAFF) do Reino Unido, alimento funcional é aquele “cujo componente incorporado oferece benefício fisiológico e não apenas nutricional”, distinguindo alimentos funcionais daqueles fortificados com vitaminas e minerais.
Já o conceito de suplementos alimentares começou a ser desenvolvido há cerca de cem anos por Gowland Hopkins. Hoje, os suplementos são usados para acrescentar a dieta normal. Pretende-se, com o uso deles, complementar, corrigir ou adaptar dietas para cada indivíduo. Eles são utilizados preferencialmente por esportistas, pois podem fornecer nutrientes necessários às demandas elevadas pelo esporte. Bebidas, barras, refeições líquidas e suplementos de micronutrientes fazem parte de um plano alimentar prescrito para auxiliá-los a atingir suas necessidades especiais e em situações em que a alimentação habitual não consegue suprir.
O aumento do conhecimento sobre a nutrição e o avanço sobre as características de cada indivíduo tornam possível personalizar cada dieta, modulando a nutrição conforme as necessidades e limitações individuais para prevenir doenças e melhorar a saúde. Com isso, haverá uma quantidade cada vez maior de produtos que ofereçam soluções às pessoas que desejam viver o dia-a-dia com mais intensidade, dominando melhor o seu ritmo nas 24 horas do dia. Haverá produtos de consumo que acompanham o estilo de vida de cada um. Conhecendo o perfil da população moderna, mais preocupada com a saúde e o bem-estar, haverá crescimento no consumo dos alimentos funcionais seguros e legalizados, que aumentarão diariamente o desempenho físico e mental, elevando a qualidade de vida e a autoestima.
Kali Nardino é farmacêutico
Por Kali Nardino
Com a evolução das sociedades e o avanço das tecnologias, a informação está cada vez mais acessível, principalmente a relacionada à saúde e à prevenção de doenças. De outro lado, o tempo para as refeições saudáveis tem diminuído bastante. Para suprir essas necessidades, os consumidores recorrem aos nutracêuticos, alimentos funcionais e suplementos alimentares. Mas qual é a diferença entre estes produtos? Quando e como devemos utilizá-los?Os nutracêuticos são alimentos ou partes deles que proporcionam bem-estar e qualidade de vida. Tais alimentos podem abranger nutrientes isolados, suplementos dietéticos em cápsulas e dietas até produtos beneficamente projetados, herbais e alimentos processados. Vários nutracêuticos podem ser produzidos com o uso de microrganismos chamados GRAS (Generally Recognized as Safe) e classificados genericamente como fibras dietéticas, ácidos graxos poliinsaturados, proteínas, peptídios, aminoácidos (ou cetoácidos), minerais, vitaminas antioxidantes e outros antioxidantes (glutationa, selênio).Nutracêutico significa a junção das palavras nutrient (nutriente) e pharmaceutics, ou seja, a forma de apresentação similar aos medicamentos, como cápsulas, cápsulas gelatinosas ou até mesmo soluções prontas para o consumo. Eles incorporam frequentemente extratos produzidos a partir de alimentos, de substâncias sintetizadas ou de vegetais, como a cafeína extraída do guaraná.Já os alimentos funcionais são idênticos aos convencionais consumidos numa dieta normal, e além de satisfazerem as funções nutritivas básicas, procura compensar e corrigir problemas de saúde crônicos, como hipertensão. O termo “alimentos funcionais” surgiu no Japão em meados dos anos 1980 e se refere aos alimentos processados com ingredientes que auxiliam funções específicas do corpo, sendo definidos como “Alimentos para uso específico de saúde” (Foods for Specified Health Use - FOSHU) em 1991.Para o Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentos (MAFF) do Reino Unido, alimento funcional é aquele “cujo componente incorporado oferece benefício fisiológico e não apenas nutricional”, distinguindo alimentos funcionais daqueles fortificados com vitaminas e minerais.Já o conceito de suplementos alimentares começou a ser desenvolvido há cerca de cem anos por Gowland Hopkins. Hoje, os suplementos são usados para acrescentar a dieta normal. Pretende-se, com o uso deles, complementar, corrigir ou adaptar dietas para cada indivíduo. Eles são utilizados preferencialmente por esportistas, pois podem fornecer nutrientes necessários às demandas elevadas pelo esporte. Bebidas, barras, refeições líquidas e suplementos de micronutrientes fazem parte de um plano alimentar prescrito para auxiliá-los a atingir suas necessidades especiais e em situações em que a alimentação habitual não consegue suprir.O aumento do conhecimento sobre a nutrição e o avanço sobre as características de cada indivíduo tornam possível personalizar cada dieta, modulando a nutrição conforme as necessidades e limitações individuais para prevenir doenças e melhorar a saúde. Com isso, haverá uma quantidade cada vez maior de produtos que ofereçam soluções às pessoas que desejam viver o dia-a-dia com mais intensidade, dominando melhor o seu ritmo nas 24 horas do dia. Haverá produtos de consumo que acompanham o estilo de vida de cada um. Conhecendo o perfil da população moderna, mais preocupada com a saúde e o bem-estar, haverá crescimento no consumo dos alimentos funcionais seguros e legalizados, que aumentarão diariamente o desempenho físico e mental, elevando a qualidade de vida e a autoestima.
Kali Nardino é farmacêutico

Gostou? Compartilhe