A importância da amamentação

Medicina & Saúde - texto de Alessandra Belina.

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Amamentar é muito mais do que alimentar. O aleitamento materno constitui a forma ideal de alimentação da criança nos primeiros meses de vida. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda amamentação materna até os dois anos de idade, com aleitamento materno exclusivo ao seio por período não inferior a seis meses e introdução de alimentos complementares a partir dessa idade.

Recomenda-se que a criança seja amamentada sem restrições de horários e de duração das mamadas. Nos primeiros meses, é normal que a criança mame com maior frequência e sem horários regulares. Em geral, um bebê em amamentação exclusiva ao seio mama de oito a 12 vezes ao dia.

O aleitamento materno é muito vantajoso, além de ser prático e econômico, afinal está sempre pronto e na temperatura ideal. Existem vários estudos que comprovam sua superioridade sobre outros tipos de leite quando se fala em nutrição de humanos. Traz várias repercussões a curto, médio e longo prazo como: redução da mortalidade na infância, proteção contra a diarreia (é importante destacar que essa proteção pode diminuir quando o aleitamento materno deixa de ser exclusivo, mesmo que a criança receba só água nos intervalos), proteção contra infecções respiratórias, e também contra alergias. Previne hipertensão, hipercolesterolemia e diabetes no adulto. Proteção contra obesidade, mas também promove o crescimento, pois contém todos os nutrientes essenciais para o crescimento da criança pequena. O aleitamento atua positivamente na promoção do desenvolvimento cognitivo da criança, isto é, no que se refere ao aprendizado e ainda promove o desenvolvimento da cavidade bucal, devido ao exercício que a criança faz para retirar o leite da mama. E também apresenta vantagens para a mãe, pois atua como fator de proteção para o desenvolvimento de câncer de mama, promove o vínculo afetivo entre a mãe e o recém-nascido.

A amamentação é fortemente influenciada pelo meio onde está inserida a nutriz. É importante o apoio e incentivo das pessoas que cercam a mãe (companheiros, avós da criança, amigas, vizinhas...), e para o sucesso na amamentação é importante um ambiente calmo, colaboração da família com as tarefas da casa para que a mãe possa dedicar-se mais ao bebê. Vale a pena lembrar que os pais tem um papel forte no apoio à amamentação, por isso devem estar envolvidos no processo. Para o sucesso na amamentação já se deve iniciar a preparação das mamas ainda no pré-natal com orientação do seu obstetra, levando em consideração caso a caso. Ao nascimento ainda no hospital vale muito os primeiros dias com dicas da equipe (obstetra, pediatra, equipe de enfermagem) sobre a pega (forma adequada de o bebê abocanhar o mamilo), posições confortáveis para a amamentação, cuidados com os mamilos pra evitar fissuras, e principalmente manter a calma, ter consciência que no início pode ser encontradas algumas dificuldades, principalmente quando é o primeiro filho, além do recém-nascido ter que aprender a mamar, a mãe terá que aprender a dar de mamar. Ter a noção de que em algumas situações o leite pode demorar um pouco para descer, mas que o insucesso numa primeira tentativa não seja motivo para desanimar. É preciso persistência e tranquilidade.

 

Alessandra Belina é pediatra e neonatologista, rotineira e plantonista da UTI neonatal do Hospital São Vicente de Paulo

Gostou? Compartilhe