A importância da colonoscopia

Exame detecta pólipos e câncer de intestino na fase inicial

Por
· 4 min de leitura
Dra. Crislei CasamaliDra. Crislei Casamali
Dra. Crislei Casamali

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Muitas doenças podem ser evitadas ou detectadas em tempo hábil para que possam ser tratadas de formas menos invasivas, além de permitir evoluções desnecessárias e riscos à vida. A prevenção salva vidas. “Você sabia que alguns tumores podem ser detectados na fase benigna, quando ainda não são considerados câncer? Se você pudesse fazer um exame que previne o câncer de intestino ou faz o diagnóstico em suas fases iniciais, você faria?” Com esses questionamentos a Dra. Crislei Casamali nos apresenta uma realidade, onde a moderna tecnologia é aplicada para salvar vidas. Médica especializada em Endoscopia Oncológica pelo ICESP da USP, ela atua com Endoscopia, Colonoscopia e CPRE no Hospital de Clínicas de Passo Fundo. Os exames evoluíram muito nos últimos anos, través de aparelho com tecnologia de alta definição com cromoscopia para a melhor caracterização dos pólipos e das lesões do intestino.

Pólipo e câncer
A Dra. Crislei Casamali explica que, primeiramente, é necessário entender como surge o câncer colorretal. O pólipo intestinal é uma lesão benigna que surge a partir do crescimento anormal da mucosa do intestino grosso (cólon e reto). É uma doença comum, ocorrendo em 15 a 20% da população. Com o passar do tempo, os pólipos benignos podem se transformar em lesões malignas, surgindo assim o câncer colorretal. No início da doença, os pacientes podem ser assintomáticos. Os sintomas mais comuns são: sangramento, alteração do funcionamento intestinal, dores abdominais, perda de peso e anemia. Quando presentes, os sintomas não são exclusivos do câncer de intestino, podendo aparecer em várias outras doenças. Por isso, é necessário procurar o médico especialista em doenças digestivas para realizar a investigação adequada.

Evolução do diagnóstico
A colonoscopia surgiu na década de 1980 e é o exame de escolha no diagnóstico e no tratamento dos pólipos intestinais. Nesse período, passou por refinamentos tanto do ponto de vista da qualidade de imagem, como também em relação às técnicas de avaliação e remoção de pólipos. Com isso, passamos a detectar e tratar por colonoscopia desde pequenas lesões até pólipos de grandes dimensões.
O rastreamento é tão importante em nível populacional que a taxa de mortalidade pelo câncer colorretal vem reduzindo em países desenvolvidos, onde há acesso a esses exames, permitindo o diagnóstico e o tratamento dos pólipos ou do câncer em suas fases iniciais. No Brasil, a recomendação é que os exames iniciem aos 50 anos. Já nos Estados Unidos, algumas sociedades recomendam que se comece aos 45 anos, devido ao aumento do aparecimento desse câncer em pacientes jovens.

Prevenção por mudança de hábitos
Crislei reforça que a prevenção envolve também as mudanças no estilo de vida. A alimentação saudável, rica em verduras e fibras, pobre em carnes vermelhas e embutidos, a prática regular de exercícios físicos, manter o peso adequado para a altura, não fumar e não beber são hábitos fortemente recomendados e que previnem não somente o câncer colorretal, como outros tumores e muitas outras doenças crônicas.

 

As dúvidas sobre a colonoscopia

Medicina & Saúde: Como é feita a colonoscopia?
Dra. Crislei Casamali: É realizada através de um aparelho em formato de tubo flexível com uma câmera na ponta. Durante a colonoscopia, o aparelho percorre todo intestino grosso (cólon e reto) e a porção final do intestino delgado (íleo). O exame tem duração de 15 a 30 minutos.

M&S: Vou sentir dor?
Crislei: Esse é um mito que gera muita angústia nos pacientes. Durante o exame, medicações para dor e para diminuir os níveis de consciência são aplicadas na veia, o que chamamos de sedação. Na maior parte das vezes o paciente fica dormindo durante todo o exame.

M&S: Quanto tempo dura o efeito da anestesia?
Crislei: As medicações utilizadas na sedação começam a agir rapidamente e são eliminadas pelo próprio corpo pouco tempo após o exame. Com isso, é comum que o paciente esteja recuperando a consciência ainda na sala de exame. Como cada pessoa responde de forma diferente aos medicamentos, é necessário permanecer na sala de recuperação por 1 a 2 horas após o procedimento e estar acompanhado durante a alta hospitalar.

M&S: Por que necessito tomar laxantes?
Crislei: É necessário porque somente com o intestino limpo é que as pequenas alterações da mucosa do intestino podem ser identificadas e tratadas. Para que isso seja possível, é necessário um compromisso por parte do paciente. Uma dieta restrita é iniciada 2 dias antes do exame, e os laxantes são tomados na véspera e, em alguns casos, no dia do exame, conforme a orientação de cada profissional.

M&S: Como esse exame previne o câncer? Quais doenças podem ser diagnosticadas?
Crislei: A colonoscopia é um exame de prevenção. Através da retirada dos pólipos intestinais, prevenimos o desenvolvimento do câncer de intestino em até 90% das vezes. Além dos pólipos intestinais, outras alterações como o próprio câncer de intestino, divertículos, alterações vasculares (vasos sanguíneos), doença inflamatória intestinal, hemorroidas, entre outras podem doenças ser identificadas e algumas vezes tratadas durante o procedimento.

M&S: Já fiz a colonoscopia. Quando devo repetir?
Crislei: O intervalo de tempo entre os exames varia de paciente para paciente. Isso porque quem teve o primeiro normal não tem o mesmo risco de desenvolver câncer colorretal daqueles que tiveram vários pólipos. O risco de novos pólipos surgirem após o primeiro exame é de 30%. Além disso, o acompanhamento depende também de fatores familiares. Converse com o seu médico.

 

Formação e atuação profissional

Dra. Crislei Casamali 
Especialização em Endoscopia Oncológica no ICESP/USP 2018
Residência médica em Endoscopia no INCA
Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital de Clínicas de Passo Fundo
Graduação em Medicina pela Universidade de Caxias do Sul

Atendimento
Hospital de Clínicas de Passo Fundo
Centro de Endoscopia (4º andar)
Central de Consultas
Rua Uruguai, 590
Passo Fundo – RS

 

Gostou? Compartilhe