A importância da hidratação na primavera

Alimentação adequada ajuda superar a baixa umidade do ar

Por
· 4 min de leitura
Tatiane Basso é nutricionista clínica e coordenadora da Nutrição na Residência Multiprofissional Integrada do HSVPTatiane Basso é nutricionista clínica e coordenadora da Nutrição na Residência Multiprofissional Integrada do HSVP
Tatiane Basso é nutricionista clínica e coordenadora da Nutrição na Residência Multiprofissional Integrada do HSVP

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 Menos chuva e baixa umidade do ar. Na primavera temos um clima mais seco. E este ano a estação das flores promete ser mais quente. Enfim, características de um clima propício para o aparecimento de problemas respiratórios. Também pode agravar as condições para aqueles que já sofrem com essas doenças. Em muitas dessas situações a prevenção pode ser fundamental. Se o ar está seco, a hidratação seria uma forma para equilibrar essas condições climáticas. A nutricionista clínica Tatiane Basso explica que em relação à nutrição, a hidratação é fundamental. Ela é a coordenadora da Nutrição na Residência Multiprofissional Integrada do Hospital São Vicente de Passo Fundo. Enfatiza que beber em média oito copos de água por dia e consumir alimentos hidratantes são de vital importância.

 Água em primeiro plano

Então, é interessante saber o que é aconselhável para esses dias secos. Água pura é sempre a melhor opção, mas sucos naturais (com moderação), água de coco, chás de frutas e alimentos que contenham bastante água na composição, também podem ajudar. Cuidado com o consumo de chás diuréticos e refrigerantes, pois estes contêm altas doses de sódio, favorecendo a desidratação. E sobre o princípio do consumo diário de dois litros de água, Tatiane explica que a regra dos dois litros é estimulada como uma média para reposição hídrica para a maioria da população adulta e idosa. Para saber a quantidade correta de água a ser ingerida por dia, também devemos levar em conta a idade, o peso as perdas, pessoas que transpiram mais, praticam exercício físico, por exemplo, têm uma necessidade de reposição hídrica maior.

 Com sabor

Como muitas pessoas não têm o hábito de ingerir água com frequência, a nutricionista explica como tornar esse hábito mais atrativo. Algumas pessoas referem falta de hábito e até mesmo náuseas ao consumirem água. Nestes casos, pode-se tentar a opção do consumo de águas saborizadas, onde se acrescenta bastante gelo e frutas como laranja, kiwi, abacaxi, morango, uva. Misturar as frutas com ervas como hortelã e alecrim, também dá um sabor todo especial. A água saborizada, quando feita com água com gás, pode ser um ótimo substituto do refrigerante do final de semana. Para quem prefere algo mais prático, água com limão ou gengibre, também podem ser uma opção. No caso da falta de hábito, oportunizar-se carregando uma garrafinha, auxilia bastante. Existem também alguns aplicativos que podem ser baixados nos smartphones, onde estes auxiliam o indivíduo, mandando avisos para lembrar-se da ingestão de água.

 

Água e refeições

Beber água nas refeições exige certa moderação. Excesso de líquidos durante as refeições devem ser evitados. Água, sucos naturais e chás devem ser consumidos preferencialmente 30 minutos antes ou depois das refeições para não atrapalhar o processo digestivo. Porém, um consumo modesto de 100 a 150 ml durante as refeições, para a maioria das pessoas, não é prejudicial.

 Cuidando da pele

A pele também sofre com a baixa umidade. Então, para protegê-la, é necessário manter a hidratação interna com um consumo adequado de líquidos, preferencialmente água diariamente. Lembrando que não devemos esperar sentir a sensação de sede, pois quando chegamos a este ponto significa que já estamos entrando em um processo de desidratação. A hidratação externa da pele também deve receber atenção com o uso de cremes adequados para cada tipo de pele.

 Alimentação sem excessos

 Na primavera também devemos ficar de olho no prato. Uma alimentação mais saudável, baseada no consumo de carnes magras, ovos, cereais, leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão-de-bico), oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas), legumes, verduras e frutas da época, ofertam para o corpo nutrientes importantes, como vitaminas e minerais, favorecendo os processos metabólicos do organismo. Fracionar a dieta em pequenas porções também auxilia facilitando o processo digestivo e a absorção destes nutrientes. Frutas que contém uma boa quantidade de água como melancia, melão, abacaxi, laranja, maçã e alguns legumes como pepino, alface e tomate, são ótimos para auxiliar na hidratação. Outra opção interessante para ter sempre na geladeira, é a salada de frutas, um lanchinho saudável e bastante nutritivo que também pode ser consumida com granola e iogurte.

 Refeições mais leves

Para algumas pessoas, o calor predispõe ao cansaço e à indisposição. A alimentação pode auxiliar nesses casos. Refeições mais leves são uma boa pedida. Prefira consumir carnes magras, cereais integrais, leguminosas como feijões, ervilha e lentilha, frutas e verduras da época sendo o morango, beterraba, cenoura, brócolis alimentos típicos da primavera e a melancia, figo, uva, abóbora, típicas do verão. Devemos evitar o consumo de gorduras advindas de frituras, sorvetes, cremes gordurosos, carnes gordas, pois estes apresentam uma digestão mais lenta, demandando uma maior energia do organismo.

  

Dicas para uma saúde em alta na primavera-verão

 - Manter-se hidratado, bebendo ao menos oito copos de água por dia.

- Cuidado com o consumo de líquidos como sucos artificiais e refrigerantes, pois estes, além de não proporcionarem uma boa hidratação, são ricos em açúcar e podem favorecer o acumulo de gordura e consequente ganho de peso.

- Manter a pele bem hidratada.

- Evitar ficar exposto ao sol principalmente no período do meio-dia as 18h00.

- Hidratar-se bem antes e após a prática de atividades físicas.

- Evitar consumo de alimentos que favoreçam a desidratação: embutidos como salsicha, salame, mortadela e linguiça, enlatados, caldos de carne e de galinha industrializados, macarrão tipo instantâneo, salgadinhos ou excesso de sal nas preparações.

- Procure utilizar mais temperos naturais para preparar as refeições: cebola, cebolinha, alho, alecrim, sálvia, manjericão, pimentas, por exemplo, são boas opções para reduzir o consumo de sal.

 

 

Gostou? Compartilhe